A Paraíba o tempo todo  |

Zezé Polessa será chamada para depor após morte

A atriz Zezé Polessa será chamada para prestar depoimento na próxima semana em razão da morte do motorista Nelson Anderson Lopes, de 63 anos. Nelson teria passado mal durante a tarde, tempos depois de discutir com a atriz pela manhã, quando a levara para uma gravação – ela disse que só ficou sabendo do ocorrido à noite. Ele chegou a ser levado para o Hospital Lourenço Jorge, no Rio, mas faleceu em seguida.

 

De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Civil, o delegado Antônio Ricardo, da 32ª DP, localizada na Taquara, instaurou inquérito para apurar a conduta de Zezé. Segundo o delegado, inicialmente o inquérito deverá apurar se a atriz infringiu o Estatuto do Idoso, que estabelece uma pena de reclusão de seis meses a um ano para quem humilhar, desdenhar, menosprezar ou discriminar pessoa idosa.

 

Caso fique constatado que Zezé continuou a destratar o motorista mesmo depois de ter sido informada que ele sofria de problemas cardíacos, ela poderá responder também por homicídio culposo (não intencional).

 

A promotora de Justiça do Rio, Christiane Monnerat, que determinou que a polícia investigasse a conduta de Zezé no caso, disse que mesmo que os parentes da vítima não quisessem "ela seria obrigada a investigar o que aconteceu".

 

Entenda o caso

 

Nesta segunda-feira (15) o jornal carioca "O Dia" divulgou a informação que o motorista Nelson Anderson Lopes, havia sofrido um ataque cardíaco e morrido após ter discutido com a atriz Zezé Polessa. Zezé teria se queixado em razão dele ter errado o caminho para o Projac, complexo de estúdios da Globo, na zona oeste do Rio.

 

Por meio de um comunicado enviado pela Globo, Zezé disse que "ficou passada com a notícia da morte de Anderson". "Fiquei passada com a notícia. Ele era um senhor idoso, me levou para um local errado, era novo na profissão e não conhecia o caminho direito. Não discuti, falei que ele tinha que se informar. Saí com ele quatro vezes e em todas nos perdemos. Ele estava despreparado para o trabalho".

 

Ela ressaltou que Anderson não seria despedido. "Ele não seria mandado embora, apenas não seria mais meu motorista, levaria outras pessoas. Eu entendo que todo mundo precisa trabalhar e falei que não podia mais passar por isso, de ficar rodando e chegar atrasada. Não conheço alguns caminhos do Rio", acrescentou.

 

 

UOL

 

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe