A juíza responsável pelo caso da Xeque-Mate Higyna Josita Simões de Almeida informou que vai decidir hoje (24) quais as medidas cautelares serão adotadas em relação ao empresário Roberto Santiago, que teve a prisão preventiva revogada pelo ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). A magistrada foi notificada da decisão, por meio de ofício enviado pelo STF nesta terça-feira (23).

“O processo está concluso comigo e, amanhã, entrego, porque preciso de um prazo para decidir quais são as medidas cautelares necessárias e cabíveis no caso concreto”, justificou a juíza.

A defesa de Roberto Santiago impetrou Habeas Corpus, com pedido de liminar, no STF, pedindo a revogação da prisão preventiva decretada pela Justiça da Paraíba no bojo da Operação Xeque-Mate. Como o Supremo está de recesso, coube ao presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, deliberar sobre o pedido.

“Entendendo descaracterizada a necessidade da prisão do paciente, salvo melhor análise do ilustre relator, concluo que a imposição de medidas cautelares diversas da custódia, neste momento, mostra-se suficiente, até porque, como já reconheceu esta Corte, as outras medidas cautelares previstas na lei processual podem ser tão onerosas o implicado quanto a própria prisão”, ressaltou o ministro.

No despacho, ele deferiu a liminar para determinar a substituição da prisão preventiva por medidas cautelares diversas, que serão aplicadas pela juíza Higyna Josita Simões, em substituição na 1ª Vara da Comarca de Cabedelo.

 

Redação

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Operação apreende 37 motocicletas irregulares após ‘rolezinho’, em CG

Através da Operação Cidade Segura, a Polícia Militar apreendeu 37 motocicletas irregulares, na noite da terça-feira (17), em Campina Grande. De acordo com a PM, a operação foi realizada com…

PC suspeita de latrocínio de comerciante morto em JP tenha sido pelo próprio namorado

O empresário Aldeone Antunes Moreira de 32 anos foi encontrado morto dentro do apartamento onde morava no bairro João Paulo II, em João Pessoa. Amigos do empresário procuraram a polícia…