Por pbagora.com.br

 O Conselho de Sentença do 1º Tribunal de Júri de João Pessoa decidiu na madrugada desta sexta-feira (20), pela condenação de Luiz Paes de Araújo Neto a 17 anos e seis meses em regime fechado. O réu era acusado de assassinar, em 15 de abril de 2010, a estudante Aryane Thays Carneiro de Azevedo. Da decisão cabe recurso e Paes pode aguardar em liberdade. Por ser réu primário, ele só será preso quando se esgotarem todas as chances de recurso.

O julgamento começou às 14h30 da quinta-feira (19), com um plenário lotado. A sentença saiu depois de 12 horas. Muitas pessoas, apesar de terem chegado cedo, não conseguiram entrar para acompanhar o julgamento. Os pais de Luiz Neto só conseguiram acesso ao plenário após as 22h, em consequência da lotação.
O pai dele chorou em vários momentos do julgamento. A mãe do acusado, a todo instante, segurava um terço nas mãos. A família da vítima acompanhou o julgamento emocionada, principalmente quando a irmã de Aryane, Thalita Carneiro, prestou depoimento e também quando foram mostradas fotos do corpo da jovem morta.

 

Durante depoimento ao 11° Tribunal do Júri da Comarca de João Pessoa, no início da noite desta quinta-feira (19), o acusado de matar a estudante Haryane Thaís, Luiz Paes de Araújo Neto, negou a autoria do crime.

A jovem Haryane Thaís foi encontrada morta às margens da BR 230 no dia 15 de abril de 2010 e exames periciais confirmaram que ela estava grávida de Luiz Paes de Araújo Neto. De acordo com os autos do processo, Luiz tinha se encontrado com Aryane na noite anterior a que o corpo foi encontrado e o casal chegou a discutir por conta da gravidez indesejada.  Para a mãe da jovem, o júri pode significar um ponto final em uma história de luta por justiça, que já dura três anos e quatro meses.

Em 2012, a defesa de Luiz Paes de Araújo Neto entrou com um Recurso em Sentido Estrito para evitar o júri popular, mas a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba rejeitou o pedido. A tentativa da defesa de impedir o julgamento do acusado em júri popular também foi frustrada pelo Supremo Tribunal de Justiça, quando negada pelo ministro relator da 5ª Turma do STJ em 2013.

Redação com G1

Notícias relacionadas

PRF prende homem com pistola e munição no sertão paraibano

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) na Paraíba prendeu, na manhã do último sábado (17), um homem com uma pistola e sete munições. A ação ocorreu no sertão paraibano quando os…

Homem é assassinado com disparo de arma no olho na cidade de Santa Rita

Um homem foi encontrado morto na manhã de hoje (19), no município de Santa Rita, na Grande João Pessoa. De acordo com a Polícia Militar (PM), a vítima foi atingida…