Por pbagora.com.br

 

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou, na tarde desta quarta-feira (5), o entendimento da Corte no sentido da inconstitucionalidade do parágrafo 1º do artigo 3º da Lei 9.718/98, que alargou a base de cálculo do PIS e da Cofins, para reconhecer que a receita bruta (faturamento) seria a “totalidade das receitas auferidas” pelas empresas.

A decisão, tomada no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 527602, seguiu o entendimento do ministro Marco Aurélio, para quem o novo conceito de faturamento criado pelo dispositivo questionado – uma lei ordinária, foi além do que previu a Constituição Federal – que determinava a necessidade de uma lei complementar para tal.

Já o artigo 8º da mesma lei, que aumentou a alíquota da contribuição, de 2% para 3%, foi considerado constitucional pela Corte, uma vez que não existe a necessidade de lei complementar para tratar do aumento da alíquota.

Os ministros se mantiveram fiéis a uma série de REs julgados recentemente pela Corte que tratavam deste assunto – como os recursos 357950, 390840, 358273, 346084 e 336134.
 

 

STF

Notícias relacionadas

Homem é esfaqueado na cabeça após discussão em João Pessoa

Na manhã deste domingo (18), um homem esfaqueado na cabeça durante uma discussão. A suspeita seria uma mulher. A agressão aconteceu no bairro do Valentina, na Zona Sul de João…

Dupla é presa com mais de 7 kg de drogas em Campina Grande

Dois suspeitos, de 30 e 31 anos, foram presos em flagrante, nesse sábado (17), com mais de 7 kg de drogas e um caderno que teria toda a contabilidade da…