Cento e oito notificações de violência contra a mulher foram feitas nos cinco Núcleos de Prevenção à Violência e Promoção da Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde, entre janeiro e outubro deste ano. A maioria delas sofreu pelo menos dois tipos de violência e de acordo com o tipo, foram classificadas como físicas (32 casos), psicológicas (93), sexuais (16), torturas (6), financeiras (3) e negligências (5), conforme as fichas preenchidas pelas vítimas durante os atendimentos.

Para celebrar o Dia Internacional da Não-Violência contra as Mulheres, que acontece nesta quinta-feira, 25, a coordenação do programa vai realizar, a partir das 8h30, palestras no Centro de Saúde Dr. Francisco Pinto e no Serviço Municipal de Saúde, que serão abertas a profissionais da rede municipal e também a população em geral.

Os núcleos funcionam no Isea, que é o serviço de referência para as vítimas de violência sexual, Serviço Municipal de Saúde, além dos Centros de Saúde do Catolé, Palmeira e Dr. Francisco Pinto, no centro da cidade, e têm o objetivo de notificar os casos suspeitos e/ou confirmados de violência doméstica e sexual, explica a coordenadora do programa, Cícera Arquelino Alves.

Além de identificar, notificar e dar encaminhamento das vítimas de violência para os setores competentes, o programa realiza ações educativas e promove a divulgação e discussão com a comunidade sobre a Lei Maria da Penha. Neste ano, somente no Centro de Saúde Dr. Francisco Pinto, 520 mulheres assistiram palestras e receberam material informativo.

Ainda de acordo com os dados dos núcleos, conforme o meio utilizado para realizar a agressão nas mulheres, foram notificados 26 por força corporal, 26 por enforcamento, sete por objetos perfuro-cortantes como lâminas de barbear, seis por objetos contundentes como facas, cinco por arma de fogo, 48 verbais e 32 ameaças.

Nestes casos, os núcleos não registram os casos em que as mulheres foram assassinadas, explica Cícera, acrescentando que entre as vítimas existem crianças, adolescentes, adultas e idosas. Em relação ao vínculo dos autores da violência contra as mulheres, a maioria deles, 28, é de cônjuge, mas o número de ex-cônjuges e ex-namorados também é alto: 24 no total.

Outro número que surpreendeu a coordenadora dos núcleos é a quantidade de amigos ou conhecidos que praticaram a violência: 13. Houve ainda casos de filhos (5), irmãos (5), padrastos (2), pais (6), mães (3), desconhecidos (9), cuidador (1), nora (1), madrasta (1), avó paterna (1) e namorado (1). Oitenta dos casos de violência foram registrados nas próprias residências das vítimas, 19 em via pública, um no local de trabalho e um em local onde a vítima praticava atividade esportiva.

CAMPANHA – O dia 25 de novembro marca em todo o mundo o início da Campanha 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, que termina no dia 10 de dezembro, que é o Dia Internacional dos Direitos Humanos). Outras duas datas integram a campanha: o dia 1º de dezembro, Dia Mundial de Combate à Aids, e o dia 6 de Dezembro, Dia do Massacre de Mulheres de Montreal.

O dia 25 de novembro foi escolhido como o Dia Internacional da Não-Violência contra as Mulheres para lembrar as irmãs Mirabal (Pátria, Minerva e Maria Teresa), assassinadas pela ditadura de Leônidas Trujillo na República Dominicana.

 

 

Codecom/CG

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Dupla é presa suspeita de tráfico de drogas, em bar da orla de JP

Na manhã desta sexta-feira (20), uma dupla foi presa em um bar na orla de João Pessoa suspeita de tráfico de drogas. De acordo com as informações policiais além da…

Polícia deflagra quarta edição da Operação Alvorada em toda a PB

A Polícia Militar realiza, na manhã desta sexta-feira (20), a 4ª edição da Operação Alvorada, que tem o objetivo de inibir ações delituosas e combater os crimes patrimoniais, como os…