Por pbagora.com.br

 O presidente do Sindicato dos Policias Civis da Paraíba, Antonio Erivaldo Henrique de Sousa informou na manhã desta quarta-feira (21) que a população pode ficar tranquila com a paralisação de hoje. Ele garantiu que apesar de não estar recebendo a população para registrar boletim de ocorrência, os flagrantes de crimes estão sendo realizados e assim, caso alguém seja preso pela polícia militar, o acusado terá seu crime lavrado e será encaminhado para a prisão.

 

O movimento segundo ele é pacífico e segue determinação de mais 11 estados que também cruzaram os braços nesta quarta. A paralisação que segue até às 20 horas de hoje, é para reivindicar entre outros pontos, o cumprimento pelo Governo Federal da promessa de campanha que previa a criação do Ministério da Segurança, piso nacional, aplicação do PCCR- Plano de Cargos, Carreira e Remuneração e a aprovação da Lei Orgânica pelo Congresso e adequadas aos Estados.

 

Indagado sobre a determinação da justiça da Paraíba para que as delegacias funcionem a noite e todos os dias, o presidente do sindicato revelou que não é possível cumprir o pedido por falta de efetivo.

 

"Nosso efetivo é insuficiente para atender a medida. A justiça foi feliz na determinação, sabemos que deveriamos trabalhar 24 horas por dia porque não sabemos quando vamos precisar da polícia, mas os gestores devem tomar para si a responsabilidade com a segurança pública. A quem interessa o sucateamento da polícia? Os policiais sabem da necessidade de funcionar as 24 horas".

 

Vanessa de Melo com rádio CBN

PB Agora

Notícias relacionadas

Festa com aglomeração é encerrada na PB e participante é detido

Na noite desse domingo (18) a Polícia Militar encerrou uma festa com aglomeração em uma chácara localizada no município de Conceição, no Sertão paraibano. No momento da ação policial um…

Policial de folga salva idosa de incêndio na Capital

Uma idosa que estava com a casa em chamas foi salva pela atitude de um soldado da Polícia Militar, na noite desse sábado (17), no bairro de Mangabeira VII, na…