A Paraíba o tempo todo  |

Paraibano é apontado em inquérito como elo entre governo e youtubers do “gabinete do ódio”

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Um inquérito com 1.152 páginas, ao qual o jornal O Estado de São Paulo teve acesso, e publicou a reportagemm exclusiva hoje (5), onde revela como youtubers bolsonaristas ganham R$ 100 mil mensais com informações privilegiadas do Palácio do Planalto. De Campina Grande, o assessor especial da Presidência da República Tércio Arnaud Tomaz é um dos investigados.

O paraibano é apontado no inquérito dos atos antidemocráticos como elo entre o governo e os youtubers, que possuem acesso privilegiado a Bolsonaro e informaram faturamento de mais de R$ 100 mil por mês. Durante sete meses de investigações, a convivência harmoniosa da Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) com os youtubers do “gabinete do ódio” foi apurada.

Segundo o Estadão, integrante do “gabinete do ódio”, Tércio repassa vídeos do presidente e participa de grupo de WhatsApp com os blogueiros para “discutir questões do governo”, segundo disse em depoimento à Polícia Federal.

A investigação feita pela Polícia Federal e conduzida pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ainda não terminou, mas já atormenta Jair Bolsonaro por fechar o cerco sobre a militância digital.

Conforme a reportagem, em depoimento à PF, Tércio negou dar tratamento diferenciado aos donos de canais no Youtube que orbitam em torno de Bolsonaro.

Redação com Estadão

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      1
      Compartilhe