Por decisão unânime, a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba manteve a condenação de Manoel Filho Ferreira Vilar, que ameaçou de morte a ex-companheira, afirmando, veementemente, que iria cortá-la com uma faca. Na Comarca de Taperoá, ele foi condenado a uma pena de 1 mês e cinco dias de detenção, a ser cumprida em regime aberto, pela prática do crime previsto no artigo 147 do Código Penal (ameaça) c/c a Lei nº 11.340/06. Na decisão, foi concedido o benefício da suspensão condicional da pena, nos termos do artigo 77 do Código Penal, pelo prazo de dois anos.

Inconformado com a sentença, a defesa recorreu, pedindo a absolvição. Alegou não existirem provas suficientes para a condenação. Disse que as imputações a ele atribuídas são baseadas apenas nas declarações da vítima, estando os depoimentos testemunhais contraditórios e inverídicos. Referiu-se, ainda, ao comportamento da vítima, sob o argumento de que ela tem interesse na condenação a fim de obter a guarda dos filhos.

O parecer da Procuradoria de Justiça, por intermédio do promotor de Justiça convocado Amadeus Lopes Ferreira, foi pelo desprovimento do recurso. O relator da Apelação Criminal nº 0000255-26.2016.815.0091 foi o desembargador João Benedito da Silva, que, em seu voto, ressaltou o fato de que a tese acusatória restou devidamente demonstrada, consubstanciada na palavra da vítima, em harmonia com outros elementos dos autos.

“Ora, em casos como o em lume, a palavra da vítima possui especial relevância, ainda mais quando, ratificada em juízo e não demonstrada a sua intenção de acusar um inocente, sendo, ainda, a sua versão corroborada com a fornecida por testemunhas ouvidas sob o crivo do contraditório”, destacou o relator.

Em depoimento prestado em juízo a vítima afirmou que sofreu ameaças do seu ex-companheiro. Disse que ele teria dito que se ela saísse de casa iria lhe cortar com uma faca e que mulher ruim deve ser cortada, colocados os pedaços em um saco e jogado fora. Ressaltou, ainda, que o acusado lhe batia, tendo, inclusive, chegado a desferir socos e chutes na frente das filhas.

O desembargador João Benedito da Silva disse que estando comprovadas a autoria e a materialidade delitiva, deve a sentença condenatória ser mantida, sem reformas quanto a sua fundamentação.

Desta decisão cabe recurso.

Por Lenilson Guedes

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Organizadores de festa em JP com suposta exploração sexual são identificados

Três pessoas foram identificadas ontem (21) como responsáveis pela festa que foi cancelada pela Vara da Infância e da Juventude por suspeita de exploração sexual de adolescentes no bairro do…

Foragido do PB1 é preso em apartamento na praia de Iracema, em Fortaleza

Mais um fugitivo da Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves Abrantes, PB1, em João Pessoa foi recapturado. O homem, identificado como Gerliano Faustino Mascena Mendonça, conhecido como Massa Bruta ou…