Por pbagora.com.br

 As investigações do Ministério Público da Paraíba (MPPB) em crimes de corrupção envolvendo a chamada lavagem de dinheiro no estado ficam 40% mais eficazes e mais rápidas com o funcionamento do Laboratório de Tecnologia Contra Lavagem de Dinheiro (LAB-LD), implantado no MPPB em novembro de 2012, mas que foi oficialmente inaugurado na manhã desta segunda-feira (10), durante solenidade na Procuradoria Geral de Justiça (PGJ), em João Pessoa, com a participação do coordenador da Rede Nacional de Laboratórios do Ministério da Justiça, Roberto Zaina.

“É um passo consistente no combate ao crime organizado e à lavagem de dinheiro no estado da Paraíba”, comemora o promotor de Justiça Octávio Paulo Neto, coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público paraibano. “O importante nesse laboratório é o trabalho em parceria, pois ninguém resolve nada sozinho. São vários atores no combate ao crime organizado”, completa o coordenador, referindo-se à atuação da Controladoria Geral da União (CGU), do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), a Polícia Civil, a Polícia Militar e a Polícia Federal. “Não devemos esmorecer. Se não enfrentarmos a corrupção, não chegaremos a lugar nenhum”.

O promotor Octávio Paulo Neto reitera que o laboratório, apesar de estar sendo lançado oficialmente só agora, já vem sendo usado desde o ano passado, depois que os integrantes do Núcleo Criminal do MPPB passaram por vários treinamentos. “Várias investigações estão em andamento e, em breve, poderemos apresentar os resultados”, avisa, acrescentando: “É a ciência e a tecnologia a serviço no combate à criminalidade, pois não podemos mais atuar somente com provas testemunhais e na base do ouvi dizer”.

De acordo com dados do Ministério da Justiça, via Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI), com o funcionamento dos laboratórios, já foram registrados 1.500 casos de investigação no que concerne a lavagem de dinheiro nos últimos quatro anos no país, envolvendo algo em torno dos R$ 4 bilhões.
Atualmente são 20 laboratórios em funcionamento em todo o Brasil. Em abril, outros 15 serão inaugurados e até o final do ano, serão um total de 43 laboratórios espalhados por todas as unidades da federação, sendo que em alguns estados têm mais de um como, como é o caso do Distrito Federal, com cinco, e São Paulo com quatro. Já em 2015, será implantado o primeiro laboratório instalado fora do Brasil, na Bolívia.

O Laboratório de Tecnologia Contra Lavagem de Dinheiro (LAB-LD) é resultado de um Acordo de Cooperação Técnica entre o MP-PB e o Ministério da Justiça. A unidade permite análises mais rápidas de dados e cruzamento de informações em investigações dos crimes de lavagem de dinheiro e de corrupção. Ele conta com uma estrutura de tecnologia que reúne conjunto de softwares e hardwares e permite o processamento de informação em massa. O laboratório permite gerar relatórios confiáveis, a partir de distintas bases de dados e apresenta um mapeamento de informações de movimentações financeiras, de intercâmbio entre pessoas que possam fazer parte de uma quadrilha e de indícios de lavagem de dinheiro.

 

Ascom

Notícias relacionadas

Polícia prende suspeito de atuar no tráfico de cocaína em Santa Rita

A Polícia Militar prendeu um jovem de 21 anos que estaria atuando no tráfico de cocaína, na noite dessa sexta-feira (16), na cidade de Santa Rita. Com ele, foram apreendidas…

Polícia apreende arma ao interceptar veículo em Santa Rita

A Polícia Militar interceptou um carro que estava circulando com os faróis apagados, na noite dessa sexta-feira (16), e aprendeu um revólver que era transportado no veículo, no bairro de…