Por pbagora.com.br

O Ministério Público Estadual (MPPB) quer que Rodolpho Carlos da Silva seja julgado em 90 dias e a promotora Artemise Leal disse que os atos cartorários serão rigorosamente fi scalizados, para evitar demora no processo. Segundo ela, mais importante que a decretação da prisão preventiva do réu (encalhada na apreciação dos juízes) é o andamento do processo, para que seja concluído o quanto antes. Rodolpho é investigado por atropelar e matar o agente de trânsito Diogo Nascimento, em uma blitz da Operação Lei Seca.

Nos últimos dias, o debate sobre o caso tem se concentrado na apreciação do pedido de prisão preventiva de Rodolpho, feito pelo Ministério Público, junto com o oferecimento da denúncia, que já passou por três juízes e não foi apreciado. “Entendo a aflição da sociedade em querer vê-lo preso. Mas dentro de um processo é preciso saber que passo é mais importante de ser dar. Quanto mais pedidos e mais artifícios houver, mais recursos serão movidos pela defesa e mais tempo se perderá na ação. Temos um foco que é levá-lo ao banco dos réus, para que a Justiça seja feita e é para isso que estou trabalhando, para que ele seja pronunciado e enfrente o júri popular”, disse Artemise.

Quanto à prisão preventiva, a promotora discorda do impedimento apontado pelo juiz Marcos Williams para não apreciar o pedido, pelo fato de ter sido concedido um habeas corpus a outro pedido, o de prisão temporária. “Não temos o que fazer, se não há apreciação do pedido, mesmo que seja para negá-lo. Mas a população que se revoltou com o caso não pode perder a esperança, porque ela terá a oportunidade de julgá-lo (Rodolpho), através do júri popular. É preciso que a sociedade tenha conhecimento do artigo 412 do Código de Processo Penal (CPP), que determina um prazo de 90 dias para a conclusão da ação penal, independente de ser réu solto ou preso. E é isso que vamos fiscalizar, para que a população faça o que tem desejado determine o destino do réu”, acrescentou a promotora.

Flanelinha – Ontem, um caso que foi comparado ao crime cometido por Rodolpho Carlos, ganhou um novo capítulo. O advogado Alekson Azevedo Monteiro pediu habeas corpus para o flanelinha Antônio Avelino dos Santos, que está no presídio do Róger, na Capital. Cerca de uma semana após Rodolpho atropelare matar o agente Diogo, Avelino lavava carros na Praça Pedro Américo, no Centro de João Pessoa, quando tentou manobrar um carro de câmbio automático, perdeu o controle, atropelou e matou um idoso.

Redação com MP

Notícias relacionadas

Suspeitos assaltar comerciantes na Grande João Pessoa são presos

A Polícia Civil da Paraíba prendeu três homens suspeitos de integrar uma organização criminosa que praticava assaltos nas casas de comerciantes situadas na região metropolitana de João Pessoa. As prisões…

Polícia apreende arma que seria de grupo criminoso, na Capital

A Polícia Militar apreendeu um revólver que seria de um grupo criminoso ligado ao tráfico de drogas, com atuação na comunidade Maria de Nazaré, localizada no bairro Funcionários III, em…