Por pbagora.com.br

Adolescentes que cumprem medidas socioeducativas na Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente “Alice de Almeida”- Fundac participaram de audiência concentrada para reavaliação de medida por videoconferência, pela primeira vez na história da socioeducação da Paraíba. A ação, realizada pela Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Campina Grande, aconteceu na última segunda-feira (29) e reavaliou 22 processos de execução de medidas de socioeducativas do Lar do Garoto, em Lagoa Seca.

Segundo Luiz Antônio da Silva Sousa, diretor do Lar do Garoto, a primeira audiência de reavaliação de medida através de videoconferência garantiu a extinção de medidas socioeducativas de quatro adolescentes (desinternação) e a progressão para a liberdade assistida cumulada com medidas de proteção, de mais três casos avaliados.

“A organização da pauta e a elaboração prévia de relatórios minuciosos sobre a condição social, psicológica, educacional e exposição das tramas familiares e perspectivas de futuro de cada socioeducando, com indicação dos cursos de alfabetização e de ensino regular, bem como de cursos profissionalizantes realizados no interior do Lar do Garoto, e demais informações constantes facilitaram sobremaneira o desenrolar das audiências concentradas”, esclareceu o juiz titular da Vara da Infância e Juventude de Campina Grande, Perilo Rodrigues.

O procurador da Fundac, Alysson Filgueira, explicou que a maioria dos socioeducandos avaliados não foi liberada porque eles fazem parte de curso de aprendizagem e uma das metas para liberação seria a conclusão do mesmo. Sendo assim, foram mantidas a internação em 15 processos, em observância às hipóteses da Resolução n° 62/2020 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e aos princípios da Lei do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase).

“Em comum acordo, inclusive atendendo ao pedido dos socioeducandos, para os quais a matrícula e a conclusão da capacitação trarão grande benefício para suas vidas, foi decidido pela manutenção da internação para cumprimento da meta estabelecida quanto à conclusão do curso de Aprendizagem Profissional”, salientou o juiz Perilo Rodrigues.

As audiências foram conduzidas pelos magistrados Perilo Rodrigues de Lucena e Hugo Gomes Zaher, contou com a participação da promotora de Justiça Maricelly Fernandes Vieira; do defensor público Admilson Villarim Filho; do procurador da Fundac, Alysson Filgueira Carneiro; do diretor do Lar do Garoto, Luiz Antônio da Silva Sousa; e dos integrantes da Seção de Assistência Psicossocial Infracional (Sapsi) da Vara da Infância, Mickaelli King, Flávia Brunet, Maria das Neves Araújo, Cíntia Nascimento e dos servidores do cartório Carolina Idalino, Maysa Martins e André Monteiro Xavier.

Voz Ativa – Nos dias 5 e 6 de junho, a equipe da Seção de Assistência Psicossocial Infracional (Sapsi) com o objetivo de ouvir, individualmente, os 22 jovens, cujos processos foram reavaliados nessa segunda-feira (29), realizou pré-audiências concentradas, por videoconferência. De acordo com a chefe da Seção, Mickaelli King, além de promover o contato da Sapsi com os jovens, as audiências prévias auxiliaram na avaliação final, ofertando uma visão mais humanizada.

“Além disso, ocorreu a parte mais importante: a reflexão do socioeducando sobre seu próprio processo socioeducativo através da autoavaliação. Foi, além de emocionante, surpreendente, porque teve socioeducando com parecer favorável à desinternação com extinção da medida socioeducativa que ponderou que ainda não estava pronto para o meio aberto e sentia necessidade de seguir interno, para melhorar e evitar novos atos infracionais”, esclareceu Mickaelli King.

A promotora Maricelly Fernandes destacou que a realização das audiências concentradas por meio de videoconferência foi bastante produtiva, tendo possibilitado que todos os socioeducandos avaliados tivessem voz ativa no processo de reavaliação. “Acredito que a iniciativa das audiências virtuais deveria permanecer mesmo após a pandemia, por serem muito mais práticas em termos de logística”, afirmou.

Alysson Filgueira vê a audiência por videoconferência como um avanço muito grande dentro do trabalho executado pela Justiça, em especial pela Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Campina Grande. “Dessa, maneira os adolescentes não precisam se deslocar ao local onde acontecem as audiências e podem participar efetivamente das audiências”, avaliou o procurador.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Polícia evita que celulares sejam arremessados para presídio

A Polícia Militar evitou que dez aparelhos celulares, cinco carregadores de bateria e uma peça de corda fossem parar dentro da Penitenciária Padrão Regional de Cajazeiras, no Sertão da Paraíba.…

Tentativa de assalto em Pitimbu termina com homem de 59 anos baleado

Uma tentativa de assalto em Acaú, na cidade de Pitimbu, na noite de ontem (02) terminou com homem de 59 anos baleado. O caso aconteceu por volta de 21h. De…