O ex-senador da Paraíba Ney Suassuna (PRB), o ex-cônsul honorário da Grécia no Rio de Janeiro Konstantinos Kotronakis e outras oito pessoas se tornaram réus na Operação Lava Jato por um suposto esquema de corrupção em contratos de afretamento de navios pela Petrobras.

A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) foi aceita pela juíza substituta Gabriela Hardt, da 13ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba, no fim de julho. Suassuna e Kotronakis viraram réus por corrupção e lavagem de dinheiro.

A defesa do ex-cônsul informou que não vai se manifestar no momento por não ter conhecimento completo da denúncia. Segundo a denúncia, foram praticados crimes de organização criminosa, corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito de 20 contratos de afretamentos de navios da Petrobras vigentes entre 2006 e 2028.

Conforme a força-tarefa, esses contratos geraram, pelo menos, US$ 17,6 milhões em propinas e comissões ilícitas. Os valores foram pagos por quatro armadores gregos – grupos responsáveis pelo transporte de cargas.

A denúncia aponta que, em razão dos acertos de corrupção, esses armadores se comprometeram a pagar propina e comissões ilícitas de 2% do valor dos contratos de afretamento para contas bancárias de empresas offshores vinculadas ao ex-cônsul em países europeus.

 

Redação

Total
33
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

PC suspeita de latrocínio de comerciante morto em JP tenha sido pelo próprio namorado

O empresário Aldeone Antunes Moreira de 32 anos foi encontrado morto dentro do apartamento onde morava no bairro João Paulo II, em João Pessoa. Amigos do empresário procuraram a polícia…

Operação apreende 37 motocicletas irregulares após ‘rolezinho’, em CG

Através da Operação Cidade Segura, a Polícia Militar apreendeu 37 motocicletas irregulares, na noite da terça-feira (17), em Campina Grande. De acordo com a PM, a operação foi realizada com…