O ex-senador da Paraíba Ney Suassuna (PRB), o ex-cônsul honorário da Grécia no Rio de Janeiro Konstantinos Kotronakis e outras oito pessoas se tornaram réus na Operação Lava Jato por um suposto esquema de corrupção em contratos de afretamento de navios pela Petrobras.

A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) foi aceita pela juíza substituta Gabriela Hardt, da 13ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba, no fim de julho. Suassuna e Kotronakis viraram réus por corrupção e lavagem de dinheiro.

A defesa do ex-cônsul informou que não vai se manifestar no momento por não ter conhecimento completo da denúncia. Segundo a denúncia, foram praticados crimes de organização criminosa, corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito de 20 contratos de afretamentos de navios da Petrobras vigentes entre 2006 e 2028.

Conforme a força-tarefa, esses contratos geraram, pelo menos, US$ 17,6 milhões em propinas e comissões ilícitas. Os valores foram pagos por quatro armadores gregos – grupos responsáveis pelo transporte de cargas.

A denúncia aponta que, em razão dos acertos de corrupção, esses armadores se comprometeram a pagar propina e comissões ilícitas de 2% do valor dos contratos de afretamento para contas bancárias de empresas offshores vinculadas ao ex-cônsul em países europeus.

 

Redação

Total
33
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Polícia Militar captura foragido da Justiça e apreende adolescente com armas

Em rondas na noite de ontem (12), a Polícia Militar capturou, na região metropolitana de João Pessoa, um homem procurado pela Justiça, e apreendeu um adolescente com duas armas de…

Operação desarticula quadrilha envolvida em ataques a bancos e tráfico

A Polícia Militar desarticulou uma quadrilha envolvida em ataques a bancos e tráfico de drogas interestadual, que era liderada por um fugitivo do sistema penitenciário da Paraíba. Uma operação realizada…