Por pbagora.com.br

O promotor Octávio Paulo Neto, coordenador do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba (MPPB), apresentou ontem, em entrevista a imprensa da capital, um balanço das ações do órgão neste ano de 2018, revelando que foram realizadas 18 operações e a mais importante delas foi a Xeque-mate, no município de Cabedelo.

 

De acordo com o promotor, a Xeque-mate, deflagrada em 3 de abril, e que desvendou um esquema de corrupção na Prefeitura e na Câmara Municipal de Cabedelo, que causou mais de R$ 20 milhões de prejuízos à população, se desdobrou em quatro fases investigativas com o apoio da Polícia Federal (PF), e há outras etapas em curso, as quais ele não pode revelar.

 

Essa operação resultou na prisão do ex-prefeito Leto Viana (PRP), que renunciou ao mandato em 16 de outubro e o outros 10 pessoas, entre elas a ex-primeira-dama e vereador de Cabedelo, Jaqueline Jacqueline Monteiro França e o ex-presidente da Câmara, Lúcio José do Nascimento Araújo, ambos do PSL; e os vereadores Tércio de Figueiredo Dornelas Filho (PSL); Rosildo Pereira de Araújo Júnior, “Júnior Datele” (PEN) ; Antônio Bezerra do Vale Filho, “Antônio do Vale” (PRP) e de servidores públicos municipais. Além do afastamento imediato de outros vereadores, que até hoje não reassumiram o mandato.

 

O coordenador do Gaeco pediu desculpas ao povo de Cabedelo pela demora das investigações, que levaram mais de quatro anos para começar a surtir os efeitos desejados e conseguir desbaratar a quadrilha que atuava nos Poderes Executivo e Legislativo da Cidade, que resultou inclusive na compra do mandato do ex-prefeito, José Maria de Lucena Filho, o Luceninha, por R$ 5 milhões, para a quitação de dividas contraídas por ele na campanha eleitoral.

 

“Na verdade, temos que pedir desculpas a cidade de Cabedelo pela demora. Mas tudo acontece em seu tempo. A Justiça infelizmente é muito burocratizada, eu creio que o caso de Cabedelo e de outros municípios era para ter acontecido há mais tempo. Mas infelizmente não tínhamos maturidade institucional e legal”, declarou.

 

 

 

Redação

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Notícias relacionadas

Polícia prende suspeito pela segunda vez com arma de fogo na Grande JP

Um homem, que já havia sido preso em dezembro do ano passado, foi novamente preso, na noite dessa sexta-feira (05), pela Polícia Militar na região metropolitana de João Pessoa. O…

Polícia prende seis suspeitos com armas e drogas em Santa Rita

A Polícia Militar, por meio do 7º Batalhão, prendeu seis suspeitos na cidade de Santa Rita, por envolvimento com o tráfico de drogas. As prisões aconteceram nos bairros de Marcos…