O cabo da Polícia Militar, Edvaldo Soares da Silva, condenado a 31 anos de prisão em regime fechado pela morte da estudante e sua enteada, Rebeca Cristina, em 2011 teve parecer para manutenção da sua prisão aprovado pelo Ministério Público.

De acordo com o parecer do procurador Luciano de Almeida Maracajá, as provas apresentadas no processo estão de acordo com os votos dos jurados que condenaram o réu.

O parecer se deu após a defesa de Edvaldo entrar com um recurso, pedindo a anulação do júri popular. Os advogados dele alegaram cerceamento de defesa e parcialidade do conselho de sentença – além de falta de provas.

Para Luciano Maracajá somente na hipótese de decisão flagrantemente contrária à prova dos autos é que se autoriza novo julgamento.

“Possuindo a tese adotada pelo Tribunal do Júri um respaldo mínimo a corroborá-la, deverá prevalecer a decisão soberana da íntima convicção dos jurados”, diz.

Rebeca foi morta no dia 11 de julho de 2011 e o seu corpo foi encontrado na Mata de Jacarapé. Ela tinha apenas 15 anos e foi estuprada e assassinada no trajeto entre a casa dela e o Colégio da Polícia Militar, em Mangabeira.

O júri de Edvaldo aconteceu em fevereiro deste ano e ele foi condenado a 10 anos pela co-autoria do crime de estupro qualificado e a 21 anos pelo crime de homicídio qualificado.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Tiroteio deixa dois homens feridos na madrugada deste domingo, em Bayeux

Um tiroteio deixou dois homens ficaram feridos após serem atingidos por disparos na madrugada deste domingo (29), em Bayeux, na região metropolitana de João Pessoa. As informações são de que…

Para ficar isolada, grávida com suspeita de coronavírus é algemada em hospital

A Polícia Militar (PM) foi acionada, na última sexta-feira (27/03), no Hospital Manoel Novaes, em Itabuna na Bahia, para conter uma mulher com aparentes sintomas da Covid-19, doença causada pelo…