Antes de ser assassinada por José Gomes da Silva Neto nesta segunda, em Juazeirinho, no Cariri da Paraíba, a cabeleireira Rosinete Martins da Silva, de 44 anos, ligou para uma amiga e disse que iria denunciá-lo. No entanto, a delegacia estava fechada. “Amanhã eu vou na delegacia, às 8h eu vou lá”, disse ao telefone. Rosinete Martins não teve a oportunidade da defesa

Como a delegacia estava fechada, ela decidiu não sair de casa e esperar pelo dia seguinte. Mas por volta das 15h, o ex-marido da cabeleireira entrou na casa e efetuou dois tiros que atingiram Rosinete na cabeça e no braço. Em seguida, ele se matou com um tiro na cabeça.

Segundo apurou a polícia, o homem não aceitava o fim do relacionamento. O superintendente de Polícia Civil de Campina Grande, delegado Luciano Soares, disse que a delegacia estava fechada por causa do feriado. Ele explicou que nesses casos o plantão da Polícia Civil na região estava funcionando na cidade de Esperança. Ainda de acordo com Luciano Soares, esses casos devem ser comunicados também à Polícia Militar, a quem cabe os primeiros atendimentos.

De acordo com a polícia, José Gomes, de 51 anos, entrou na casa pelo telhado. Ele estava armado com um revólver calibre 32. A arma foi encontrada ao lado do corpo dele.

PB Agora

Total
1
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Mulher esfaqueia homem que tentava separar briga no bairro de Tambaú, em JP

A polícia registrou uma ocorrência, ontem (13), no bairro de Tambaú, em João Pessoa, quando um homem foi esfaqueado, ao tentar separar uma briga neste bairro.  A vítima de 35…

Homem é morto após desentendimento por furto de celular, no Agreste

Caso aconteceu em residência onde os envolvidos estavam bebendo. Suspeito fugiu do local do crime em uma moto. Um homem foi morto após desentendimento por furto de um celular por…