Imagem ilustrativa

Um homem acusado de estuprar a sobrinha, à época com 13 anos de idade, foi condenado a oito anos e dois meses de reclusão, em regime fechado. A sentença foi proferida pela juíza Anna Carla Falcão, da 5ª Vara Mista da Comarca de Santa Rita.

Na decisão, a magistrada decretou a prisão preventiva do acusado por se tratar de delito de extrema gravidade, gerando clamor na sociedade. “Com efeito, o delito imputado ao acusado reveste-se de gravidade, merecendo rigorosa atuação do Poder Judiciário, com o fim de acautelar a sociedade e a própria credibilidade da Justiça”, destacou.

De acordo com o processo, a garota pediu a mãe para ir ao desfile cívico comemorativo da independência nacional, mas a responsável não permitiu, no entanto, o tio materno se ofereceu para levá-la, o que de fato aconteceu. Entretanto, ao invés de ir ao desfile, levou a menina para a sua residência onde trancou a porta e passou a exibir uma fita de vídeo pornográfico, tendo, em seguida, usando de violência, agarrado a vítima e a levado a força para o quarto da casa, onde tapou o seu rosto com um travesseiro, para que esta parasse de gritar, arrancou suas roupas e com ela manteve conjunção carnal.

Após o ato, o acusado passou a ameaçar a vítima no sentido de que se esta contasse o ocorrido, mataria a família da mesma. Consta, ainda, da denúncia que o acusado continuou a ir à residência da vítima, quando seus pais não se encontravam, exibindo fotografia de seu pênis ereto no celular, e, sob ameaça contra a família da adolescente, conseguiu ainda, por duas outras oportunidades, manter relações sexuais com a mesma.

Na sentença, a juíza afirma que o laudo sexológico, acostado aos autos, apontou que a vítima foi deflorada. “Impende, pois, destacar que, ao contrário do afirmado pela defesa, o representante do Ministério Público provou a materialidade dos fatos, bem como a autoria”, enfatizou.

A magistrada lembrou que, em depoimento, a vítima relatou que o acusado manteve relação com ela em três oportunidades. “A palavra da vítima encontra respaldo na prova testemunhal colhida durante a instrução processual, bem como na prova técnica, revelando-se imperiosa a condenação do denunciado e, por conseguinte, reconheço a fragilidade da alegação da defesa no sentido de que a prova colhida não demonstra a prática de violência sexual pelo denunciado”, concluiu a juíza, determinando a expedição do mandado de prisão em desfavor do réu.

 

Redação
com Assessoria TJPB

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Bandidos de passam por clientes de barbearia para assaltar correspondente bancário

No dia de ontem (16), bandidos se passaram por clientes de barbearia para assaltar correspondente bancário no bairro de Cruz das Armas, em João Pessoa. Três pessoas foram feitas reféns…

Fantástico vai mostrar hoje matéria sobre o escândalo dos vereadores em Santa Rita

Os vereadores e o contador da Câmara Municipal de Santa Rita serão destaque em reportagem especial que será veiculada pelo Fantástico da Rede Globo, neste domingo (17). Segundo a imprensa…