A Paraíba o tempo todo  |
PUBLICIDADE

Abalado, pai revela que estudante morto em escola de João Pessoa não queria ir para o colégio

O estudante João Vitor Fontes da Silva, de 18 anos, que foi morto a tiros na noite da quarta-feira (1º), dentro de uma escola em João Pessoa,não queria ir para a escola onde aconteceu o crime. Foi o que afirmou abalado, o pai do estudante.

“Quando a mãe dele saiu para trabalhar, na noite de ontem, ele disse para ela que não queria ir para o colégio e a mãe dele disse: ‘vá para o colégio, meu filho’”, disse José Carlos Fontes da Silva, pai de João Vitor.

O crime aconteceu dentro da Escola Cidadã Integral Cineasta Linduarte Noronha, em Gramame, em João Pessoa. Segundo a Polícia Militar, o suspeito estava mascarado quando pulou o muro da escola e entrou em uma sala de aula procurando pela vítima, que conseguiu correr e tentou se esconder em outra sala, antes de ser executado.

José Carlos contou que o filho não tinha envolvimento com crimes e que era querido pelas pessoas do bairro. “Era um menino bom, todo mundo aqui gostava do meu filho. No fim de semana eu levei ele para acompanhar o jogo do Auto Esporte, todo mundo tirou foto com ele, era muito querido”, disse.

Nas redes sociais, a última postagem feita por Vitor foi um stories no Instagram, com um texto bíblico onde ele pedia proteção. “senhor, jamais deixe cair, derrame sobre mim a sua luz e esperança e me livre de todo o mal”, diz o texto compartilhado pela vítima.

Conforme o pai da vítima, a polícia apreendeu a sandália e a máscara usadas pelo suspeito, e que a escola tem câmeras que podem ter filmado a ação. “Eu não sei o motivo do crime, está em investigação, mas com certeza vamos descobrir quem fez isso”, contou.

Em nota por volta de 8h, a Secretaria de Estado da Educação diz que “lamenta profundamente o ocorrido e assim como a gestão escolar, está colaborando com todo o necessário para a investigação policial e prestando assistência à família e à comunidade escolar”. A secretaria diz ainda que “a escola tinha vigilância e monitoramento por câmera, e nenhum histórico de violência”.

Redação

    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe