Uma equipe do Núcleo Especial dos Direitos Humanos e da Cidadania (Necid) da Defensoria Pública do Estado da Paraíba (DPE-PB) esteve no Alto Sertão da Paraíba, onde verificou diversos casos de violação dos direitos humanos. A ‘excursão’ aconteceu de 11 a 15 de março e passou pelas cidades de Catolé do Rocha, Riacho dos Cavalos, São Bento e Sousa – nesta, os atendimentos se concentraram nos assentamentos da Comunidade Cigana, que vive na periferia da cidade, próximo a rodovia BR 230.  

 

Por meio da Coordenadoria de Defesa dos Direitos Humanos, da Cidadania e de Ações Coletivas, o coordenador do Necid, Manfredo Rosenstock, explica que, além de dar andamento aos atendimentos individualizados, a DPE deverá interpor ações contra o Estado e prefeituras em função de graves situações relacionadas à saúde e educação.

 

“Na cidade de São Bento, por exemplo, constatamos que muitas pessoas precisam de medicamentos, insumos alimentares, sondas. O problema se repete em Riacho dos Cavalos. É uma situação degradante”, exemplificou Manfredo, que também visitou a Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Celso Mariz, na cidade de Sousa, cuja reforma do prédio foi paralisada e as instalações estão em estado precário. “Não há sequer uma placa com informações sobre a execução da obra. Se alguma coisa não for feita imediatamente, vamos pedir interdição”, adiantou.

 

Além do atendimento à população em comunidades carentes, o defensor público conta que também teve com a direção da escola e gestores da saúde nos municípios. “Os trabalhos realizados ao longo da semana foram bastante produtivos, com várias ações extrajudiciais e judiciais a serem impetradas e o nosso compromisso, atendendo ao pleito dos gestores, de realizar mutirões da DPE nas comarcas com os menores IDHs (Índice de Desenvolvimento Humano) do Estado”, disse.    

 

COMUNIDADE CIGANA – Uma das principais ações do Necid no Sertão foi o atendimento a uma comunidade tradicional na cidade de Sousa, formada por ciganos da etnia Calon. Nos ranchos, como são conhecidos os assentamentos, a equipe da DPE improvisou uma estrutura de atendimento para oferecer assistência jurídica. Entre as demandas mais recorrentes do grupo estão registros de nascimento tardio e documentação para casamento e regularização de união.

 

“São tantos casos, que já estamos estudando a possibilidade de realizar um casamento coletivo, a exemplo do que fizemos em Rio Tinto, com os índios, e em João Pessoa, com casais LGBTQI+”, adiantou Manfredo Rosenstock.

 

Além do coordenador e das assessoras do Necid, Paula Sobral e Eulania Valério, as atividades do Necid no Sertão também foram acompanhadas pela defensora pública da Comarca de Sousa, Iara Bonazzoli.

 

Redação

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Bruno avisa que com ou sem o apoio de Romero será candidato à PMCG

Com status de secretário, o chefe de gabinete da Prefeitura de Campina Grande, Bruno Cunha Lima (sem partido) voltou a confirmar sua postulação à sucessão municipal na Rainha da Borborema…

Homem morre após acidente com duas motos e um caminhão na PB

Em mais um acidente de trânsito, um homem morreu, na manhã desta quinta-feira (22), na BR-230, na cidade do município de Bayeux e entrada para João Pessoa. O acidente envolveu…