Por pbagora.com.br
Os casos de Leishmaniose Canina, conhecida popularmente como Calazar, têm preocupado a Coordenação de Vigilância Ambiental, da Secretaria de Saúde de Campina Grande, que está intensificando o trabalho de coletas, controle e combate da doença na cidade.

Desde o início do ano, os agentes da Vigilância Ambiental já inspecionaram mais de 80 mil casas na cidade e avaliaram mais de mil cachorros. Desse total, cerca de 5% dos animais apresentaram resultado positivo para calazar. O bairro com o maior número de animais positivos é o bairro das Malvinas, mas o distrito de São José da Mata apresenta o maior número de captura do mosquito transmissor da doença, proporcionalmente.

O trabalho da Secretaria de Saúde tenta impedir que o número de casos aumente, uma vez que os municípios vizinhos apresentam altos índices da leishmaniose canina. “Nós estamos fazendo o que chamamos de cinturão de proteção epidemiológica da cidade”, explicou a Coordenadora de Vigilância Ambiental, Rossandra Oliveira.

Os agentes fazem a visita às casas, coletam o sangue para realização dos testes rápidos nos cães e, caso eles apresentem confirmação após exames sorológicos realizados pelo Lacem-PB, os animais são levados para eutanásia, com a autorização do dono, conforme orientação da Portaria Nº 1.426 de 11 de julho de 2008 e seguindo o que preconiza a Resolução nº 714 de 2002 do Conselho Federal de Medicina Veterinária.

“Essa medida extrema é necessária para evitar que a doença chegue aos seres humanos. As pessoas precisam entender isso, que o objetivo é preservar a vida humana. Alguns moradores ainda têm dificultado o nosso trabalho nesse sentido, nós entendemos, mas se o animal apresentar a doença, precisamos seguir o que determina o Ministério da Saúde”, explicou Rossandra.

Os donos têm ainda a opção de assumirem o tratamento de forma particular, e é necessário enviar laudos assinados por um médico veterinário rotineiramente comprovando que o animal não apresenta risco eminente à saúde pública.

A leishmaniose é transmitida por um mosquito, conhecido como mosquito palha, que utiliza o cachorro como hospedeiro. Para proteger o bicho de estimação, os donos devem limpar seus quintais rotineiramente, podar árvores, descartar corretamente o lixo orgânico e evitar que animais fiquem dentro de casa à noite.

A Secretaria de Saúde, em parceria com a Secretaria de Serviços Urbanos e Meio Ambiente, vem fazendo a limpeza de terrenos baldios, o que ajuda a prevenir a proliferação do mosquito transmissor da leishmaniose. Os agentes também têm feito palestras de orientação nas Unidades Básicas de Saúde.

Redação com Codecom/CG

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Em Live: Ruy apresenta projeto inovador para a saúde de João Pessoa

“A criação do Centro de Especialidades Médicas, em cada distrito sanitário, irá oferecer ao cidadão pessoense uma maior agilidade no diagnóstico, como também ofertar uma contrarreferência da rede especializada mais…

Covid-19: taxa de ocupação de leitos volta a subir em todo o estado

A taxa de ocupação de leitos reservados para pacientes com o novo coronavírus (covid-19) voltou a subir em todo o estado nos últimos dez dias. Os dados são da Secretaria…