Por pbagora.com.br

Petroleiros, professores federais, estaduais e municipais, bancários, urbanitários, comerciários, técnicos em educação e servidores públicos são algumas das categorias que estão paralisando suas atividades na Greve Geral desta sexta-feira, 14 de junho, na Paraíba. Para o vice-presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-PB), Marcos Santos, o movimento é suprapartidário e reivindica a permanência dos direitos conquistados dos trabalhadores.

 

Ele disse que que, no momento, não existe nenhuma proposta de retomada do crescimento econômico com geração de emprego e distribuição de renda, mas sim a tentativa de tirar os direitos à aposentadoria. “As mudanças afetarão também os jovens, desempregados e as pessoas já aposentadas, porque atingem a economia como um todo”, disse Marcos.

 

O ato é contra a Reforma da Previdência, cortes na educação, nos investimentos sociais e de moradia, bem como toda retirada de direitos imposta pelo governo Bolsonaro aos mais pobres. Além da CUT, UNE e CTB, outros grupos e centrais sindicais estão envolvidos na organização do protesto, como a Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), União Geral de Trabalhadores (UGT), CSP- -Conlutas e Intersindical, Nova Central, Frentes Brasil Popular, Povo Sem Medo e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES)

 

 

Redação

 

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

PRF na Paraíba recupera veículo roubado há um ano no RN

O veículo roubado circulava clonado na capital paraibana A Polícia Rodoviária Federal na Paraíba recuperou, na tarde desta quarta-feira (30), um veículo Fiat Argo roubado e que circulava clonado. Os…

Sem máscara Bolsonaro é recebido por multidão em Campina Grande

Visitando a Paraíba pela segunda vez em cerca de 15 dias, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou em Campina Grande na manhã desta quinta-feira (1º). A visita ocorreu durante…