O Senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB/PB) solicitou nesta terça-feira (20), na Comissão de Educação do Senado, uma Audiência Pública para debater sobre o contingenciamento de verbas para as universidades federais e o novo programa do governo federal “Future-se”, que visa ampliar a participação de verbas privadas no orçamento universitário.

A Audiência Pública contará com a participação dos membros do Grupo de Trabalho destinado a avaliar e acompanhar o sistema universitário brasileiro, criado por um ato do Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do qual faz parte o ex-reitor da Universidade Federal de Campina Grande – UFCG, Thompson Mariz.

Também serão convidados o Presidente das Fundações de Apoio das Universidades (Conifes), Fernando Peregrino; reitores e ex-reitores de outras Universidades Federais e Institutos Federais de Educação de todo o País. Da Paraíba, participarão a reitora Universidade Federal da Paraíba – UFPB, Margareth Melo Diniz, o reitor da UFCG, Vicemário Simões; e o reitor do Instituto Federal da Paraíba – IFPB, Cícero Nicácio do Nascimento Lopes.

Na Tribuna do Senado – O assunto foi tratado por Veneziano nesta segunda-feira (20), na Tribuna do Senado. Na oportunidade, ele reprovou os remanejamentos apresentados no Projeto de Lei do Congresso (PLN) 18, que afetarão drasticamente a educação brasileira, num prejuízo de cerca de R$ 50 milhões.

“Esses recursos remanejados, caso seja aprovado o PLN 18, poderão prejudicar, principalmente, as instituições de ensino superior e instituições de formação técnica, assim como as instituições de Campina Grande e a Universidade Federal da Paraíba. Nós não podemos continuar à mercê das decisões do Ministério da Economia sem reagir da forma que precisamos reagir, propondo o debate sobre os contingenciamentos de verbas na área da educação, justamente com as pessoas que mais sentem esses cortes no dia a dia”, ressaltou o Senador paraibano.

Prejuízos para as Universidades – Várias pesquisas e ações em diversas universidades federais serão afetadas pelo contingenciamento do orçamento da Educação, neste segundo semestre. Somente no primeiro semestre, o MEC foi alvo de dois contingenciamentos, determinados pelo governo federal como forma de enfrentar a crise econômica. No mês de março foram R$ 5,8 bilhões bloqueados. Já em abril, o bloqueio foi de 30% da verba das universidades. E em julho outro decreto bloqueou R$ 348,47 milhões. Esse corte, segundo o governo, foi aplicado sobre gastos não obrigatórios, como água, luz, terceirizados, obras, equipamentos e realização de pesquisas.

Para reverter a situação dos cortes na educação, o MEC lançou o programa Future-se para reestruturar o financiamento do ensino superior público, visando ampliar a participação de verbas privadas no orçamento universitário. As instituições poderão fazer parcerias público-privadas (PPP’s), ceder prédios, criar fundos com doações e até vender nomes de campi e edifícios, como em estádios. A Audiência Pública proposta por Veneziano também tratará sobre este tema

Assessoria de Imprensa

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

João Pessoa oferece mais de 100 vagas de emprego; confira

O Sistema Nacional de Emprego (Sine-JP) oferece 109 vagas de emprego, na semana de 20 a 24 de janeiro de 2020. Há oportunidades para pessoas com todos os níveis de…

Irmãos morrem afogados enquanto tomavam banho em açude, no Sertão

Uma tragédia no Sertão da Paraíba. Um jovem de 18 anos e uma adolescente de 13 anos morreram afogados enquanto tomavam banho em um açude, localizado no município de Santana…