A Unifacisa decidiu suspender, por 30 dias, o aluno autor do trote sobre a ameaça de um massacre no estabelecimento, na tarde de ontem, segunda-feira, 25, em Campina Grande. Em nota encaminhada à imprensa, a instituição afirma ainda que assim que soube do ocorrido tomou as providência cabíveis e ressaltou que o caso segue agora sob responsabilidade das autoridades competentes.

Devido ao episódio, a faculdade anunciou que aumentou o efetivo para dar mais segurança aos funcionários e alunos.

CONFIRA 

Na tarde do dia 25 de Março de 2019, tornou-se de conhecimento público que um dos alunos desta instituição estaria programando um atentado armado a ser realizado no interior do campus do Centro Universitário Unifacisa. A rapidez com que o fato propagou-se pelas redes sociais e pela imprensa provocou pânico, temor e tumulto entre professores, alunos e colaboradores.

Tão logo tivemos ciência do fato, tomamos, imediatamente, as seguintes providências:

Solicitação de apoio urgente das Polícias Civil e Militar, para garantir a segurança das pessoas presentes no local. O pedido foi, prontamente, atendido, e a situação controlada;

Identificação do aluno autor da ameaça e sua condução perante as autoridades policiais para os esclarecimentos necessários e cabíveis;

Registro oficial da ocorrência perante a Polícia Civil, com vistas à abertura de inquérito policial e apuração da responsabilidade criminal, em que esta instituição auxiliará nas investigações naquilo que for preciso e que estiver ao seu alcance;

Reforço da segurança interna, com aumento do contingente;

Suspensão das aulas por 01 (um) dia do 3º e do 4º períodos do curso de medicina;

Medida cautelar de suspensão do aluno autor da ameaça pelo prazo de 30 (trinta) dias, período em que lhe é vedado o acesso, a qualquer pretexto, ao campus do Centro Universitário Unifacisa, a outra unidade de nossa instituição ou de entidades conveniadas, quando da realização de atividades vinculadas aos respectivos convênios;

Abertura de procedimento administrativo disciplinar, com vistas à apuração dos fatos e à tomada de decisão sobre eventual punição.

Em seguida, oficiamos: i) o Ministério Público Estadual, requerendo o acompanhamento das investigações junto à Polícia Civil, com o destacamento imediato de um de seus membros, o que foi prontamente deferido; ii) o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, para tomada das medidas necessárias de suas respectivas competências; e iii) a Polícia Militar, solicitando a realização de ronda permanente nas adjacências do centro universitário.

Desse modo, tomando todas as providências ao seu alcance, a Unifacisa vem, por meio desta, tranquilizar a comunidade acadêmica, seus familiares e toda sociedade, bem como informar que as atividades habituais da instituição transcorrem dentro da mais absoluta normalidade e segurança.

 

Campina Grande, 26 de Março de 2019.

 

A DIREÇÃO

 

Redação

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Em passagem por JP, ministro do STJ defende juiz de garantias

Em passagem por João Pessoa nesta sexta-feira (17), o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Reynaldo Soares da Fonseca, defendeu a implantação do “juiz de garantias”, determinação do presidente…

Bebê de dois meses morre asfixiada em João Pessoa

Tragédia na Capital. Uma bebê de apenas dois meses morreu asfixiada após ser amamentada. Ela morava com a família no residencial Irmã Dulce, bairro Colinas do Sul, em João Pessoa.…