Por pbagora.com.br

O Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba, em julgamento realizado nesta quinta-feira (07), decidiu anular a sentença de 11 de janeiro deste ano que determinava o pagamento de uma indenização de R$ 12 milhões por parte da Arquidiocese da Paraíba por casos de exploração sexual contra adolescentes.

O crime foi praticado por padres e até o arcebispo emérito do estado, Dom Aldo di Cillo Pagotto, teve o nome envolvido no escândalo. O entendimento da corte no dia de hoje é que as provas não seriam suficientes para comprovar os crimes.

A defesa da Arquidiocese foi feita pelo advogado Harrison Targino, sócio do ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB).

A ação civil pública foi movida pelo procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT) na Paraíba, Eduardo Varandas, e denunciava que um grupo de sacerdotes pagava a flanelinhas e coroinhas por sexo.

Como o processo corre em segredo de Justiça, o Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região não forneceu nenhuma informação sobre o julgamento.

A Procuradoria do Trabalho disse que vai recorrer da decisão.

 

Redação

Notícias relacionadas

Covid-19: ALPB vota PL que autoriza governo da PB comprar vacina

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) vota nesta terça-feira (2) o Projeto de Lei 2.510/2021, que autoriza do Governo do Estado o direito de aquisição e fornecimento de vacinas contra…

Campina Grande tem quase 100 oportunidades de emprego nesta 2ª

Maioria exige experiência de seis meses comprovados na Carteira de Trabalho A Prefeitura de Campina Grande, por meio do Sine Municipal, está oferecendo novas vagas de emprego nesta segunda-feira, 01…