O Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba, em julgamento realizado nesta quinta-feira (07), decidiu anular a sentença de 11 de janeiro deste ano que determinava o pagamento de uma indenização de R$ 12 milhões por parte da Arquidiocese da Paraíba por casos de exploração sexual contra adolescentes.

O crime foi praticado por padres e até o arcebispo emérito do estado, Dom Aldo di Cillo Pagotto, teve o nome envolvido no escândalo. O entendimento da corte no dia de hoje é que as provas não seriam suficientes para comprovar os crimes.

A defesa da Arquidiocese foi feita pelo advogado Harrison Targino, sócio do ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB).

A ação civil pública foi movida pelo procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT) na Paraíba, Eduardo Varandas, e denunciava que um grupo de sacerdotes pagava a flanelinhas e coroinhas por sexo.

Como o processo corre em segredo de Justiça, o Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região não forneceu nenhuma informação sobre o julgamento.

A Procuradoria do Trabalho disse que vai recorrer da decisão.

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Hervázio elogia postura de Mandetta e aponta ministro como ‘calo’ de Bolsonaro

Após elogiar o trabalho do Governo da Paraíba no combate a Covid-19, o deputado estadual Hervázio Bezerra, do PSB, também estendeu as declarações ao ministro da Saúde, Mandetta, que vem…

Paraíba confirma 21 casos de coronavírus; 15 estão na Capital

O Governo da Paraíba, através da Secretaria de Estado da Saúde, em novo boletim sobre a disseminação do novo coronavírus, confirmou 21 casos de pacientes contaminados no estado. De acordo…