O Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba, em julgamento realizado nesta quinta-feira (07), decidiu anular a sentença de 11 de janeiro deste ano que determinava o pagamento de uma indenização de R$ 12 milhões por parte da Arquidiocese da Paraíba por casos de exploração sexual contra adolescentes.

O crime foi praticado por padres e até o arcebispo emérito do estado, Dom Aldo di Cillo Pagotto, teve o nome envolvido no escândalo. O entendimento da corte no dia de hoje é que as provas não seriam suficientes para comprovar os crimes.

A defesa da Arquidiocese foi feita pelo advogado Harrison Targino, sócio do ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB).

A ação civil pública foi movida pelo procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT) na Paraíba, Eduardo Varandas, e denunciava que um grupo de sacerdotes pagava a flanelinhas e coroinhas por sexo.

Como o processo corre em segredo de Justiça, o Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região não forneceu nenhuma informação sobre o julgamento.

A Procuradoria do Trabalho disse que vai recorrer da decisão.

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Irmãos morrem afogados enquanto tomavam banho em açude, no Sertão

Uma tragédia no Sertão da Paraíba. Um jovem de 18 anos e uma adolescente de 13 anos morreram afogados enquanto tomavam banho em um açude, localizado no município de Santana…

João articula aumento linear de 5% no salário de todos os servidores

Na manhã desta segunda-feira (20), o governador João Azevêdo anunciou que deu início a discussão para conceder um reajuste de 5% nos salários de todos os servidores estaduais da Paraíba.…