Chove ininterruptamente em Campina Grande há três dias. As temperaturas também baixaram na cidade. Os termômetros registraram 17,°C nesta segunda-feira (22), o dia mais frio dos últimos cinco anos na cidade, segundo dados da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa).
Segundo a meteorologista Marle Bandeira, as temperaturas podem baixar mais no mês de agosto.

– A Aesa já havia previsto que esse ano seria mais frio. Campina chegando aos 17 graus e quando chove a sensação é de mais frio. O dia mais frio em julho foi dia 16, quando os termômetros apontaram 17 graus. Em Cabaceiras, as temperaturas chegaram a 13 graus. Monteiro, no mês de agosto pode chegar a 11 graus. Campina em agosto deve bater os 17 e registrar 16 graus – apontou.

Marle Bandeira disse ainda que as temperaturas só devem aumentar com a chegada da primavera.
– O inverno vai até setembro, quando começa a primavera, e somente com a chegada da primavera as temperaturas devem aumentar – assegurou.

Segundo a meteorologista, a expectativa é de que as temperaturas continuem baixando ainda mais nas próximas semanas, com a chegada do mês de agosto. “Vai continuar frio, especialmente nas madrugadas, até o fim de julho e primeira quinzena de agosto. A tendência é que seja bastante frio na região de Campina Grande, Cariri e Curimataú”, prevê.

Desde o começo de julho, a Aesa vem registrando temparaturas baixas em Campina Grande. Os termômetros já apontaram temparaturas na casa dos 18º C, 17ºC e agora 16ºC. Em outras regiões do estado, o clima é ainda mais frio, como por exemplo, em Monteiro, no Cariri paraibano, e Maturéia, no Sertão, onde as temperaturas podem chegar a 12ºC.

SL
PB Agora

Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Farmácia é arrombada no bairro dos Bancários, em João Pessoa

Uma farmácia localizada no bairro dos bancários, em João Pessoa, foi arrombada durante a madrugada desta segunda-feira (21). Segundo a polícia, os suspeitos invadiram o local após retirar uma grade…

Depredação prédios históricos em CG apaga memória e preocupa historiadores

O patrimônio histórico de Campina Grande está dilapidado. Os muros, paredes e fachadas de edificações antigas que escondem um passado glorioso e a memória da Rainha da Borborema, parecem invisíveis.…