A Prefeitura de Campina Grande está autorizada pelo Tribunal de Contas do
Estado da Paraíba (TCE) a dar continuidade à concorrência pública para
contratação de empresa de prestação de serviços de coleta e transporte de
resíduos sólidos domiciliares do município. A decisão dos conselheiros do
TCE foi unânime e anunciada na tarde desta quinta-feira, 03 de outubro,
durante audiência realizada na sede do órgão, em João Pessoa, com a
presença do secretário de Administração da PMCG, Paulo Roberto Diniz.

Segundo Paulo, com a decisão favorável de todos os conselheiros do TCE, a
PMCG cancelará, imediatamente, o contrato emergencial em vigor, e vai
ultimar os preparativos do contrato com a empresa Light Engenharia,
vencedora da licitação. O novo contrato deverá vigorar pelo prazo de até 60
meses. A empresa será chamada para formalizar a contratação e dar início
aos serviços essenciais que serão determinados pela Secretaria de Serviços
Urbanos e Meio Ambiente de Campina Grande (Sesuma).

“Os conselheiros do TCE entenderam a complexidade de um sistema de operação
de coleta de resíduos sólidos. Campina Grande ganha com isso, contando com
a parceria do TCE. Agora, os serviços serão colocados em prática para
melhorar, ainda mais, a prestação de serviços à população”, declarou o
secretário de Administração.

Durante a audiência no TCE, Paulo Roberto defendeu a manutenção de um dos
itens do edital, contestado pelas empresas que recorreram da licitação, que
diz respeito às propostas de preço e técnica. De acordo com o secretário,
um município do porte de Campina Grande não poderia mais contratar uma
empresa de coleta de resíduos sólidos apenas pela tomada de preço, sem
avaliar também uma proposta de caráter técnico.

“Esse é um item relevante para a contratação. Grandes estados do Brasil
entendem que a tomada de preço e técnica deve ser aplicada a esse tipo de
serviço, que é um serviço diferenciado porque necessita de veículos mais
equipados, com GPS, além do gerenciamento de um sistema que é complexo. É
preciso entender que um serviço bem executado aumentará o número de ruas
atendidas e a realização desse serviço num tempo menor. Por isso, a
proposta técnica é necessária, até porque há uma tecnologia mais avançada
para a coleta de resíduos sólidos que precisa ser utilizada”, declarou.

Na avaliação do secretário, o TCE compreendeu que a Prefeitura de Campina
Grande agiu de boa fé na elaboração do edital, não fez restrições à
competitividade e praticou um preço abaixo do mercado. “Os conselheiros
compreendem que uma coleta bem feita, moderna e com as melhores técnicas
possíveis vai melhorar o atendimento à população. Logo, o que foi colocado
pelas empresas que contestaram o edital tornou-se irrelevante em função da
prestação de bons de serviços que serão oferecidos à população”, disse.

A empresa Light Engenharia assumirá os serviços de coleta manual dos
resíduos sólidos domiciliares, e de serviços especiais, além do transporte
e disposição final desse material. Em Campina Grande são coletadas,
diariamente, cerca de 400 toneladas de lixo, sendo aproximadamente 300
toneladas de lixo domiciliar. Entre os materiais coletados estão os oriundo
das coletas domiciliares, da varrição, feiras municipais, terrenos baldios
e capinação, além do lixo hospitalar.

 

Ascom

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Compra de medicamentos extra-SUS crescem 30% na Paraíba

Os investimentos para aquisição de medicamentos não incorporados no Sistema Único de Saúde (SUS) realizados pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), registraram um…

Carro com quatro pessoas tomba na principal dos Bancários

No final da manhã desta sexta-feira (17), um carro com quatro ocupantes capotou na avenida principal do bairro dos Bancários. O acidente aconteceu por volta das 11h na entrada da…