A prefeita do município de Conde, Márcia Lucena (PSB), tentou, mas teve o pedido para se livrar da tornozeleira eletrônica negado pelo Superior Tribunal de Justiça. A relatora da Operação Calvário, ministra Laurita Vaz, decidiu que a gestora deve permanecer com o equipamento, cujo uso foi determinado desde o carnaval pelo desembargador Ricardo Vital de Almeida, do Tribunal de Justiça da Paraíba.

Na decisão para negar o pedido, a ministra em juízo preliminar, alegou que não verificou qualquer tipo de ilegalidade na decisão do desembargador.

“Tal entendimento não se mostra, prima facie, desprovido de razoabilidade, notadamente diante da dimensão da suposta organização criminosa e do número de Investigados, já denunciados, que tiveram a prisão preventiva substituída por medidas diversas”, ressaltou.

O monitoramento eletrônico, além de permitir a fiscalização do cumprimento das medidas cautelares pelos investigados, é adequada para ‘asseguramento da ordem pública, levando em consideração a complexidade da organização criminosa sob investigação, evidenciada pelo número de integrantes e pela presença de diversos núcleos de atuação’.

 

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Covid-19: Paraíba registra mais de 30 mortes nas últimas 24h

Trinta e três mortes foram registradas em decorrência da Covid-19 nas últimas 24h na Paraíba. Os dados são do novo boletim epidemiológico emitido pela Secretaria de Estado da Saúde (SES),…

Crônica do sábado: a vida como um incesto em período de pandemia

O tempo passa e as janelas continuam como grades Retire os grilhões, pois queremos viver Buscar o cheiro do fruto proibido e inalar o prazer Sentir a pele respingar e…