Estudar distante da terra natal é sempre um grande desafio para os estudantes universitários. Muitos encontram dificuldades, inclusive, em encontrar moradia próximo da instituição onde se matricularam e, em alguns casos, chegam até mesmo a abandonar o curso devido a falta de uma estadia adequada. Segundo o último censo da Educação Superior (Inep), a taxa de evasão de estudantes universitários brasileiros chega a 50% e um dos fatores é o elevado custo de moradia que pesa no bolso dos acadêmicos.

Ciente dessa dificuldade enfrentada pelos estudantes, a professora do Departamento de Química da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Marília Costa, desenvolveu, junto com o estudante de Química Industrial da UEPB, Marcelo Correia, e com o aluno de Design da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Alberthy Alysson, o projeto de uma startup voltada a auxiliar os estudantes a localizar e alugar, de forma compartilhada, casas ou apartamentos de acordo com a realidade financeira de cada um.

Acessada pelo endereço eletrônico https://unistay.com.br/, a plataforma já se tornou uma importante ferramenta para estudantes que escolheram as universidades instaladas em Campina Grande para investir na formação profissional com curso superior e projetar um futuro melhor. Os universitários também podem conhecer o projeto através das redes sociais Facebook (https://www.facebook.com/unistay.brasil/) e Instagram (https://www.instagram.com/unistay.brasil/).

Professora Marília conta que o site está no ar há pouco mais de sete meses e, nesse período, mais de 600 estudantes da UEPB, Universidade Federal de Campina Grande, do Instituto Federal de Campina Grande (IFPB) e universidades particulares já recorreram ao serviço para localizar a moradia ideal às suas condições financeiras e praticidade para deslocamento ao seu local de estudo. Ao acessar o site, o estudante se cadastra em um banco de dados que lhe dá acesso a várias informações sobre procura e oferta de vagas disponíveis para moradia compartilhada. A plataforma apresenta uma relação de imóveis existentes na cidade, com seus preços e localização.

Marília observa que moradia compartilhada é um conceito bastante conhecido do público universitário, que tem o desafio de encontrar um lugar e alguém legal para compartilhar o espaço. “A UniStay é o meio mais fácil de encontrar moradia compartilhada para universitários. Somos uma startup de impacto social, pois temos o propósito de ajudar o estudante das classes média e baixa a encontrar moradia compatível com sua realidade financeira. Nossa missão é dar suporte à sua permanência no ensino superior, pois acreditamos na educação como ferramenta de transformação social”, frisa a professora.

As maiores procuras, conforme destaca a professora, acontecem nos meses de dezembro, janeiro, junho e julho, que são, geralmente, períodos de matrículas nas universidades públicas de Campina Grande. O projeto está encubado na Incubadora Tecnológica de Empreendimentos Criativos e Inovadores (ITCG), na Fundação Parque Tecnológico de Campina Grande (PacTcPB) e foi recentemente selecionada em edital nacional sobre Negócios de Impacto social e Inovação, o Inovativa de Impacto, vertente do Inovativa Brasil, programa de aceleração nacional em larga escala para negócios inovadores.

Como startup selecionada no programa, a equipe Unistay participará de cursos de empreendedorismo de alto nível diretamente com os melhores especialistas do país, com um módulo focado em negócios de impacto socioambiental, e receberá mentoria especializada. Durante as atividades do Edital Inovativa de Impacto, serão selecionadas 20 startups para apresentar seus negócios a entidades, grandes empresas, aceleradoras e investidores focados em negócios de impacto socioambiental. Caso chegue à etapa final, a Unistay receberá suporte do programa e de parceiros estratégicos para seu desenvolvimento.

Assessoria

Total
2
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Mais de 2.600 cartões do Passe Legal foram bloqueados em setembro, em JP

Durante o mês de setembro, o sistema da biometria facial, que opera nos ônibus da capital, detectou a possibilidade de acesso irregular nos coletivos 83.628 vezes. Após verificação, ficou constatado…

TJPB nega pedido de interrupção de gravidez de feto com ‘Síndrome de Edwards

Por maioria de votos e em harmonia com o parecer ministerial, a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba indeferiu o pedido de Tutela de Urgência nos autos da…