Por pbagora.com.br

Após a matéria publicada pelo PB Agora mostrando ossos humanos expostos em um cemitério de Campina Grande, o Secretário de Serviços Urbanos e Meio Ambiente (SESUMA), Geraldo Nobre Cavalcanti garantiu que já tomou conhecimento do caso e que todas as medidas foram adotadas para revolver o problema.

Em contato com o PB Agora, Geraldo Nobre explicou que o problema surgiu após a chuva da última sexta-feira, que criou uma erosão no cemitério do Santíssimo, visto que as ruas dele ainda não são pavimentadas. Como o cemitério é todo de terra, a chuva teria provocado uma erosão, principalmente nas proximidades do muro.

Ele disse que determinou imediatamente uma equipe para fazer os reparos, e foi pessoalmente no local. O secretário afirmou que não chegou a ver nenhum osso humano no local, mas apenas algumas pedras e as terras levadas pelas águas.

“Isso criou uma erosão e carreou alguma terra e algumas pedras pequenas. Não vi osso nenhum. Até porque no local onde carreou não tem túmulo. Só tem rua e carreou na rua a quantidade de material. Mas o pessoal já está trabalhando. Isso foi na sexta-feira,e no sábado já tinha tente lá. Ontem já tinha gente trabalhando lá E estamos trabalhando. disse.

Com relação a falta de Equipamentos de Proteção Individual, Geraldo Nobre garantiu que todos os cemitérios da cidade estão equipados com os EPIs e cumprindo os protocolos de segurança nos enterros de pessoas com Covid.19. Segundo ele, os profissionais que atuam no sepultamento, usam máscaras, luvas, botas de borracha, viseiras e outros equipamentos apropriados para esse tipo de sepultamento.

“Todos esses materiais foram cedidos pela Secretaria de Saúde que encaminhou para a Secretaria de Serviços Urbanos. E nós já estamos trabalhando trabalhando com esses equipamentos há bastante tempo, há mais de 60 dias” garantiu.

Ele enfatizou que todos os 8 cemitérios existentes em Campina Grande, sendo cinco na cidade e três nos distritos, além do Cemitério do Araxá, estão equipados.
O secretário explicou ontem estava em um conferência com empresários de São Paulo para viabilizar a implantação de um projeto de resíduos sólidos na cidade.

As imagens  filmadas por moradores  de Vila Cabral, mostraram as condições estruturais do cemitério do Santíssimo e ossos humanos expostos nas proximidades da parede do local. Como ele é todo de terra batida, e com as chuvas que caíram na cidade, a terra cedeu e abriu ,covas e o lugar próximo do muro onde é depositado os ossos que ficaram expostos colocando em risco a saúde dos moradores do bairro. A parede também erodiu o que facilitou a exposição dos ossos, alguns deles, recolhidos em um saco.

Apesar da situação estrutural,  no cemitério foram sepultados duas pessoas com Covid-19, Localizado dentro do bairro, fazendo limite com as casas dos moradores, o cemitério se tornou um risco para as pessoas após o sepultamento de casos de covid-19, visto que o risco de contágio do novo vírus é iminente. Além do novo coronavírus,outras doenças que podem ser causadas pela exposição a decomposição de corpos humanos. Felizmente, segundo o secretário,o problema está sendo resolvido.

Severino Lopes
PB Agora 

Notícias relacionadas

Acusado de homicídio e estupro é detido no litoral norte da PB

A Polícia Militar prendeu um foragido do sistema prisional que responde pelos crimes de homicídio e estupro. A prisão do acusado, que tem 30 anos, foi realizada nesta terça-feira (11),…

Opinião: Juliette descarta o ingresso na política partidária para o bem geral da Nação

O Brasil sempre “viveu”, caso possa assim tratar, na convergência de mitos falsificados. Um país desprovido de grandes feitos. Fosse eu buscar toda história da minha (nossa) Nação seria (e…