A Paraíba o tempo todo  |

Seap lança projeto de música com aulas de violão e técnica vocal para reeducandos

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

A música, conhecida por proporcionar benefícios físicos e psicológicos, vai integrar o elenco dos projetos de ressocialização que a Secretaria de Estado da Administração Penitenciária da Paraíba (Seap), por meio da Gerência Executiva de Ressocialização (GER), mantém nos presídios. O novo projeto, intitulado “Música um caminho para a Re-ssocialização”, faz parte do Programa Estadual de Educação Musical.

As aulas acontecerão semanalmente na instituição. Divididos em turmas, inicialmente 17 reeducandos receberão as aulas de violão e técnica vocal. Porém já foi formada lista de espera com os demais internos que desejam participar.

A abertura do projeto aconteceu nessa terça-feira (13), na Penitenciária de Psiquiatria Forense (PPF), em João Pessoa. O evento contou com a presença do secretário de Administração Penitenciária, Sérgio Fonseca, que destacou a importância deste projeto e incentivou a participação dos reeducandos, “Este projeto de ressocialização é muito importante como ferramenta de transformação dos indivíduos. Temos entre nós o exemplo do Olinaldo Marques, que também recebeu uma oportunidade, se dedicou e hoje é o instrutor do projeto.”

O instrutor Olinaldo Marques, também reeducando no regime condicional, contou a sua experiência: “Quando eu era interno, recebi uma oportunidade de compartilhar o meu conhecimento musical com os outros colegas, assim formando uma banda musical, intitulada Novo Horizonte. Também formei um coral, Vozes para a Liberdade, projeto que teve apoio de profissionais da música e da educação. E hoje estou aqui para transmitir uma mensagem de mudança, porque a música tem o poder de tocar as nossas emoções e nos libertar.” Ele, que recebeu a proposta quando buscava uma vaga de emprego na GER, diz que está muito feliz em poder contribuir com o projeto.

O gerente de Ressocialização, João Rosas, ressalta que este é um programa de fortalecimento das ações de educação em nosso Estado, na perspectiva de ampliar as ações culturais no processo de ressocialização. “O projeto está em sua fase piloto na Penitenciária de Psiquiatria Forense, porém tem a meta de se estender por toda a Paraíba”, adiantou.

Raquel Lauritzen, psicóloga da GER, idealizadora do programa juntamente com João Rosas, defende a escolha de iniciar este projeto na PPF: “É um projeto de ressocialização que também envolve musicoterapia, então ele traz diversos benefícios, não apenas para os reeducandos, mas para os seus familiares e para a instituição em si, já que os internos ficam mais tranquilos e tendem a ter um melhor comportamento”.

O reeducando R.H. conta que ficou muito feliz ao saber da novidade. “Eu vou encarar com bastante dedicação e eu tenho uma boa expectativa. Vou me empenhar o máximo para saber se eu tenho o dom para cantar, já que é algo que eu sempre gostei”, afirmou, adiantando que não abraçou as oportunidades enquanto estava fora do presídio, mas agora pretende mudar e está decidido a dar o melhor de si.

A psicóloga da instituição, Ana Campos, afirma que o projeto está sendo implantado no momento exato, “considerando o estresse do momento atual, a ausência de visitas presenciais devido às medidas de contingência contra a pandemia da Covid-19. A música serve como uma terapia para os nossos internos.” Ana relata que eles ficaram muito animados com a novidade.

PB Agora

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe