Por pbagora.com.br
Rio de Janeiro – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, durante coletiva após reunião com secretários de segurança pública (Fernando Frazão/Agência Brasil)
 
 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), enviou ofício ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a rejeição de uma ação apresentada por parlamentares da oposição que pedem a suspensão da análise da proposta de reforma administrativa do governo.

Os parlamentares que apresentaram a ação argumentam que o governo não entregou análises e estudos sobre os impactos orçamentários que podem ser gerados pela reforma. Por isso, eles defendem que a proposta do governo é irregular.

Rodrigo Maia argumenta que o texto não deve ser suspenso porque ainda não começou a tramitar na Casa e que deve permanecer parada até o retorno dos trabalhos presenciais. Ele lembra ainda que por conta da pandemia, as comissões permanentes, como a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, ainda não foram instaladas.

“Em razão das circunstâncias excepcionais impostas ao funcionamento desta Casa pela pandemia, a tramitação de emendas constitucionais que não contam com amplo apoio do plenário resta sobremaneira dificultada”, escreveu.

O regimento interno da Câmara exige que propostas de emenda à Constituição, como a reforma administrativa, devem passar primeiro por uma análise da CCJ, depois pela comissão especial, para análise do texto, e por fim, vai à Plenário da casa legislativa em dois turnos.

 

Congresso em Foco

 
 
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

João Azevêdo volta a descartar possibilidade de privatização da Cagepa

A possibilidade de privatização da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) em 2021 mais uma vez foi descartada pelo governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), durante entrevista, nesta…

Estado altera expediente nas repartições públicas nos dias 8, 24 e 31 deste mês

As repartições públicas estaduais da Administração Direta e Indireta do Poder Executivo terão ponto facultativo nos dias 8, 24 e 31 de dezembro. A portaria da Secretaria de Estado da…