Por pbagora.com.br

A decisão da prefeitura de João Pessoa, anunciada nesta sexta-feira (02), em autorizar a retomada das aulas em meio à pandemia do coronavírus, quando sequer há vacinas no mercado que impeçam a disseminação do vírus provocou reação da Secretaria de Educação do Estado que acionará o Ministério Público para barrar a liberação.

Em entrevista à imprensa, o secretário de educação do Estado, Cláudio Furtado, disse que a medida foi precipitada e pode ter efeitos preocupantes na Saúde pública a exemplo do que já aconteceu no estado de Manaus, que retornou com as aulas presenciais e agora estuda decretar o lockdown diante do aumento de casos de covid-19.

“Foi uma atitude bastante precipitada. A orientação do ensino médio vem do governo do estado. A gente vai entrar com as medidas cabíveis, acionar o MP para paralisar o retorno do ensino médio. Entendemos que não é o momento de retorno” ressaltou.

Furtado lembrou que o governo já fez um documento com protocolos sanitários para o retorno seguro das aulas com várias entidades como MP,  sindicatos, UNDIME, TCE, dentre outras. “Vejo com bastante preocupação essa decisão. Não existem condições para o retorno”, disse.

Além de João Pessoa, também já decidiram autorizar o retorno de aulas presencias municípios como Cabedelo e Campina Grande.

Redação

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

João Azevêdo discute distribuição do salário-educação com presidente do STF

O governador João Azevêdo participou, nesta quinta-feira (29), de reunião, por meio de videoconferência, com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, e com os demais governadores do…

Azevêdo destaca solidez fiscal da PB em Fórum de Infraestrutura do Estadão

O governador João Azevêdo participou, nesta quarta-feira (28), do Fórum de Infraestrutura, PPPs e Concessões 2020, promovido pelo jornal O Estado de São Paulo em parceria com a Hiria Organização…