A partir desta quinta-feira, 26, é comum a ida de campinenses ao comércio para a tradicional troca de produtos recebidos como presentes nas festividades do Natal. Torna-se comum a busca de produtos com novas cores, tamanhos e modelos. No entanto, o Procon de Campina Grande orienta que a loja física não é obrigada, segundo o Código de Defesa do Consumidor (CDC), a trocar mercadorias que não apresentarem problemas.

Rivaldo Rodrigues, coordenador executivo do Procon Municipal explica que, em se tratando de loja física, se o produto não apresentar defeito, a política de troca fica a cargo de cada estabelecimento.

“É uma estratégia do lojista para realizar novas vendas e fidelizar clientes. Para produtos duráveis, o prazo de reposição é de 90 dias. No caso de itens não-duráveis, o vencimento diminui para um mês. E se as compras acontecerem pela internet, telefone ou catálogo, o consumidor tem até sete dias para desistir da mercadoria, sem a necessidade da compra apresentar defeitos. Neste caso, o cliente irá receber o valor total do produto” orienta.

A regra dos sete dias para a desistência vale, igualmente, para as mercadorias importadas e compradas em sites do Brasil. Porém, é preciso guardar as informações sobre o produto e que elas sejam escritas em português.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Cadela que seguiu dono com câncer até hospital está com a mesma doença

Uma cadela que seguiu o dono com câncer até o Hospital Napoleão Laureano – que é referência no tratamento da doença em João Pessoa – e aguardou o tratamento na…

Wallber Virgolino se mostra contrário a programa habitacional do Governo da PB e promete barrar na ALPB

O Programa Parceiros da Habitação, lançado pelo Governo do Estado, e que deve beneficiar cerca de mil famílias paraibanas, corre o risco de ser barrado na Assembleia Legislativa da Paraíba.…