Por pbagora.com.br

 Quinze apenados da Penitenciária Padrão de Cajazeiras, cidade no Alto Sertão da Paraíba, a 480km distante de João Pessoa, utilizavam a rede social Facebook para extorquir comerciantes da cidade se valendo das informações coletadas por meio da rede social, segundo o diretor da unidade prisional Jailson de Matos.

Durante a operação foram encontrados cinco aparelhos celulares com acesso à internet e redes sociais, três facas artesanais e seis espetos.

Além do contato com as vítimas em Cajazeiras, os 15 detentos mantinham contato com outros integrantes de uma facção criminosa de João Pessoa. Além de extorquir empresários pela rede social, os apenados postavam fotos digitais tiradas de dentro da unidade penitenciaria. “Eles faziam isso para aparecer diante dos demais e até para tentar desmoralizar a direção da penitenciária”, disse Jailson de Matos, diretor da Penitenciária Padrão de Cajazeiras.

Jailson de Matos reconheceu que a revista íntima na unidade prisional, que tem capacidade para 150 detentos e abriga 50 a mais, é falha. “Nossa revista é pobre.

Não utilizamos equipamentos sofisticados. Temos informações de que um das visitas entrou no presídio com o aparelho na região genital”, frisou.

A ação de extorsão dos apenados durou cerca de dois meses, segundo o diretor Jailson de Matos. Uma das vítimas procurou a direção e denunciou as ameaças. Após a constatação feita pela Gerência Executiva de Planejamento, Segurança e Inteligência da Secretaria da Administração Penitenciária (Seap), os detentos foram isolados coletivamente por, aproximadamente, 30 dias e foi instaurada uma sindicância para apurar responsabilidade.

O gerente do Sistema Penitenciário da Paraíba, Arnaldo Sobrinho, confirmou que a sindicância tem o objetivo de apurar os fatos e não descarta solicitar à Justiça a remoção dos apenados. “Quem estiver envolvido nesses atos será identificado e punido também”, afirmou.

Exclusão de perfis

Por conta da prática de extorsão, ao qual os apenados devem responder, o diretor da penitenciária Jailson de Matos, disse que eles enfrentarão restrições ao direito de progressão da pena devido ao mau comportamento na unidade. Jailson de Matos reforçou que à Justiça será informada o uso indevido da rede social no interior do presídio para que a empresa responsável pela rede social seja informada da prática de extorsão praticada pelos proprietários dos perfis.

G1

Notícias relacionadas

Covid: PB registra 21 mortes neste sábado; Estado já aplicou 755.947 doses

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) registrou, neste sábado (17), 1.124 casos de Covid-19. Entre os confirmados hoje, 71 (5,15%) são casos de pacientes hospitalizados e 1.306 (94,85%) são…

Auxílio: PMCG inicia análise cadastral do Programa SuperAção nesta segunda-feira

Nesta etapa, será possível constatar se os perfis inscritos se encaixam nos requisitos da Lei que regulamenta o Auxílio Emergencial Os dados cadastrais dos inscritos no Programa Superação de Auxílio…