“Confirmo e reafirmo o compromisso do governador João Azevedo de manter a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) pública”. A declaração foi dada na tarde desta quinta-feira (12) pelo presidente da Companhia, Marcos Vinícius Neves, ao desmentir as declarações do deputado federal Gervásio Maia (PSB), que usou as redes sociais para acusar o governo de articular a venda da Empresa.

“A Cagepa é uma empresa público, eficiente, indispensável para o desenvolvimento do Estado, é superavitária. Não há mudança. Afastamos a tese de privatização. Não temos valor, pois não estamos à venda”, afirmou.

A especulação sobre a tese de privatização ganhou força com Marco Regulatório do Saneamento Básico, mas o presidente logo repudiou a ação e insinuações de agentes políticos.

“Considerando que a empresa atua em 4/5 dentro do semi-áriado, mais 3 mil km de adutores sendo administrado pela Cagepa, sabemos que cada cidadão merece ter acesso a água de forma igualitária. Não é qualquer empresa que consegue administrar isso, quando você tem um estado com as diferenças sociais como o nosso, imagine uma empresa privada. O debate não é ideológico é debate de necessidade. Só uma empresa pública pode dar conta”, explicou.

Ele ainda reforçou dizendo que se quisessem privatizar a empresa, isso já teria sido feito. “O PL 4162 não privatiza empresa estadual. Hoje já se permite a legislação para privatizar, mas ninguém quer isso, nem o governador, já que entende e diga-se de passagem, hoje nós discutimos o planejamento do estado. O governador entende que a companhia é um instrumento de desenvolvimento para a Paraíba. Segurança hídrica para a Paraíba, fui chamado para continuar um processo de desenvolvimento da Companhia”, explicou.

 

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Após ‘força tarefa’ de Berg Lima, CRM libera Maternidade de Bayeux

O Hospital Materno Infantil João Marsicano de Bayeux foi desinterditado eticamente pelo Conselho Regional Medicina da Paraíba (CRM) na tarde desta sexta-feira (17). Conforme documento do Conselho, a desinterdição ocorrerá…

Livânia pode ter perdão judicial e pena em ‘prisão domiciliar’

Denunciada no âmbito da Operação Calvário, a ex-secretário de Estado da Paraíba, Livânia Farias, se condenada, deverá cumprir sua pena em prisão domiciliar, com base em acordo de delação premiada.…