Por pbagora.com.br

O Xamegão, tradicional São João da cidade de Cajazeiras, no Sertão da Paraíba, completaria 26 anos, se não fosse a decisão da prefeita Francisca Denise Oliveira.

De acordo com a gestora, a prefeitura não teria condições de custear dois grandes eventos já tradicionais na cidade como o carnaval e o São João.

Porém, segundo informações dos que se sentem prejudicados com a não realização do evento junino, como a Câmara dos Dirigentes Lojistas de Cajazeiras – CDL, o carnaval realizado na cidade teria sido bancado com verba da iniciativa privada e, ainda segundo a CDL, não teria custado nada para a prefeitura.

A CDL afirma que a atual gestão, durante o carnaval, teria dito que não arcaria com gastos em dois eventos e, como não fez investimentos na realização da festa de Momo, a população acreditou que a prefeita Denise Oliveira organizaria a 27º edição do Xamegão.

Insatisfeita, a CDL emitiu nota repudiando a decisão da prefeita Francisca. Os lojistas cobram a realização do evento e alegam que o cancelamento do Xamegão ‘não contribui com o desenvolvimento cultural e comercial da cidade’.

A nota diz ainda que os lojistas terão prejuízos caso a festa de São João da cidade de Cajazeiras não seja realizada, pois foram feitos investimentos em compras de mercadorias específicas para as festas juninas.

Leia nota da Câmara dos Dirigentes Lojistas na íntegra:

A Câmara de Dirigentes Logistas de Cajazeiras, entidade representativa dos setores produtivos de nossa cidade, vem através desta, depois de se reunir com seu Conselho Diretor, manifestar repúdio a decisão tomada pela prefeita do município de Cajazeiras de não realizar os eventos juninos do corrente ano.


Entendemos que atitudes como essa em nada contribui para o desenvolvimento cultural e comercial de nossa urbe. Cessa-se desta feita, a mais legítima manifestação popular de nossa gente.


Por outro lado é patente a insatisfação dos comerciantes que investiram na aquisição de mercadorias específicas para os eventos juninos e que terão frustradas as suas expectativas de vendas, traduzindo-se em prejuízos sem precedentes.


Acreditamos que uma prefeitura que é aliada do governo estadual e que recebe seus devidos repasses federais e possui consubstanciadas receitas próprias, não teria tanto sacrifício assim para realizar os eventos juninos dentro de nossa realidade, nos moldes de nossas tradições, e, portanto, apelamos para uma solução emergencial para salvaguardar nossas mais legítimas tradições que são os festejos juninos.


Severino Alves de Araújo


PRESIDENTE

 

 

PB Agora

Notícias relacionadas

TCE alerta presidente da CMCG sobre pagamentos previdenciários

O presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, vereador José Marinaldo Cardoso (Republicanos), foi alertado pelo Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB). De acordo com o alerta emitido…

CG: após 6 paradas cardíacas, bebê de 4 meses que caiu da cama deixa UTI do Trauma

Após dar entrada na noite do último dia 4, no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, após cair de uma cama, o bebê de quatro meses da cidade…