Por pbagora.com.br

A última pesquisa de preços realizada pelo Procon de Campina Grande demonstra que o campinense pagou R$ 23,48 a mais na compra da Cesta Básica Regional, que este mês custou ao consumidor R$ 550,89. Comprometendo 52,7% no rendimento familiar de quem ganha um salário mínimo de R$ 1.045,00, restando 494,11 reais para outros compromissos, tais como água, energia, internet, transporte dentre outras despesas.

Em comparação com o mês de janeiro cujo preço médio foi de R$ 527,41 constata-se um aumento de 4,5%. Para este mês foram visitados 60 estabelecimentos no período de 04 a 10.

No site do Procon https://procon.campinagrande.pb.gov.br/ o consumidor poderá ver que alguns produtos apresentam uma grande diferença de preços entre os 60 estabelecimentos visitados. O grupo das Carnes e Derivados mostra que o quilo da carne de sol, apresentou uma variação de preços de 63%, ou seja, o produto pode ser encontrado a preços que vão de R$ 15,06 a R$ 38,96. Já o frango apresentou uma variação de 105,5%, o quilo pode ser comprado por valores que vão de R$ 5,79 a R$ 11,90.

Dentre os produtos de Higiene e Limpeza, como a pesquisa não é feita em cima de marcas, mas sim em termos de menor preço, alguns produtos apresentam uma grande diferença de valores. Como é o caso do desodorante aerossol, que dependendo da marca o produto pode custar de R$ 4,29 a R$ 13,49. Assim como a água sanitária que pode ser adquirida por preços que vão de 0,99 centavos a R$ 3,79.

Entre os Farináceos, os preços do biscoito água e sal chega a variar 165,8% e da goma de tapioca 133,8%. Já no grupo dos Temperos, o sal moído apresentou variação de 225,8% e o vinagre 204,1%.

E no grupo dos Hortifrútis o alho sempre chama a atenção, quem quiser usar esse tradicional tempero, se não pesquisar antes, pode pagar quase 29 reais a mais no quilo do produto. O pimentão verde também se destaca, chega a ser encontrado a preços que variam de 0,89 centavos a R$ 5,99. Entre as frutas o destaque vai para o maracujá, quem pesquisar pode economizar até R$ 8,40 na compra deste fruto muito utilizado no preparo de doces e sucos.

No material produzido pelo Procon o campinense terá acesso a todos os endereços e valores cobrados pelos estabelecimentos. “É aconselhável que o consumidor antes de fazer suas compras do mês veja qual o comportamento de preços nos estabelecimentos que costuma ir com frequência. E ao se decidir, já no supermercado, o consumidor não deve esquecer de olhar se além do preço baixo o produto está com prazo válido para consumo. As vezes as atrativas promoções escondem produtos vencidos e impróprios para o consumo humano. Se o consumidor se deparar com uma situação destas, deve imediatamente acionar o Procon no 151 ou 98185-8168 para que as devidas providências sejam tomadas” orienta Rivaldo Rodrigues coordenador executivo do Procon de Campina Grande.

 

Codecom

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Bruno Covas vence eleição para prefeitura de São Paulo

O candidato Bruno Covas (PSDB) venceu a eleição para prefeito da capital paulista com 59,45% dos votos válidos. Guilherme Boulos (PSOL) ficou em segundo lugar, com 40,55% dos votos válidos.  Até…

Detran-PB suspende transferência de veículos de outros estados em dezembro

A Direção do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PB) comunica que o serviço de transferência de veículos originários de outros estados será suspenso a partir do próximo dia 11 até 31…