Por pbagora.com.br

Centenas de tremores de terra foram registrados no Brasil nos últimos meses. A informação pode parecer estranha, levando-se em consideração o fato de que pouco se falou sobre todos esses fenômenos. Mas é fato que eles ocorrem com mais frequência do que se imagina. O país está no interior da placa tectônica sul-americana e, assim como outras nações em condições geográficas semelhantes, está sujeito a terremotos. Há, inclusive, relatos históricos sobre ocorrências de séculos atrás. Como explica o sismólogo Eduardo Meneses, do Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LabSis).

Segundo o especialista, tem até música dizendo que no Brasil não tem terremoto. Mas isso de acordo com ele é uma percepção que a gente tem e que não condiz com a realidade. É um fenômeno que já é observado e conhecido desde o tempo do império. De novembro a abril na Paraíba foram notadas oito novas movimentações nas terras paraibanas, todas elas com magnitude inferior a 2.

Na última segunda-feira (5) a notícia de dois destes tremores na Paraíba chamou a atenção do estado e despertou a curiosidade da população, que acusa não ter sentido a ocorrência do evento. De acordo com Eduardo, não há motivos para que a população paraibana se preocupe, pois, a magnitude dos tremores que acontecem no estado são baixas, imperceptíveis e não representam perigos à população. De janeiro a março deste ano, a terra dos municípios de Sousa, Pedras do Fogo e Cajá também tremeu. Nestas cidades a magnitude foi de 1,5 e 1,8 grau, respectivamente. Os eventos do início do mês também seguem esta característica e têm baixa magnitude. O primeiro dos tremores, registrado às 13h59, teve magnitude 1,5 e foi seguido de outro, às 14h07, com baixa de 0,1 na intensidade.

O sismólogo Eduardo Meneses diz que “os maiores tremores que temos conhecimento ocorreram em Pacajus, no Ceará, em 1980 com magnitude 5.3, e em João Câmara no Rio Grande do Norte, sendo em 1986 5.1 e 5.0. Para essas magnitudes os efeitos são bem observados, onde as estruturas das casas e prédios apresentam bastantes rachaduras, trincas e até deslocamento de objetos e telhas. Aqui no Nordeste, tremores menores são frequentes, mas em sua maioria não provocam danos, apenas sustos nas pessoas”, comentou.

Veja o balanço diário dos tremores no Nordeste no link:

http://www.labsis.ufrn.br/boletins

 

Redação

Notícias relacionadas

Covid: Paraíba confirma 20 mortes e registra 758 novos casos em 24h

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) registrou, nesta segunda-feira (17), 758 casos de Covid-19. Entre os confirmados hoje, 18 (2,3%) são casos de pacientes hospitalizados e 740 (97,7%) são…

Paraíba reduz em 29% o assassinato de mulheres nos primeiros quatro meses de 2021

Segurança da Paraíba reduz assassinatos em abril e morte de mulheres acumula redução de 29% no quadrimestre A ação das Forças de Segurança da Paraíba alcançou redução de 13% nos…