O TJPB (Tribunal de Justiça da Paraíba) fará homenagem, às 17h00 desta quinta-feira,
através da CCM (Comissão de Cultura e Memória) da instituição, ao Centenário de nascimento do saudoso desembargador Sílvio Pélico Porto, na Sala do Tribunal Pleno. A solenidade será presidida pelo desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos, presidente do TJPB, para quem Sílvio Porto – como era mais conhecido – foi um magistrado com retidão de caráter e conduta ética, em todos os papéis que desempenhou, em toda a trajetória de vida, como juiz e homem público.

Nomeado Desembargador em 1981, e falecido em 1984, o homenageado era natural da cidade de Cruz do Espírito Santa, na Várzea da Paraíba, e era casado com D. Diana Porto, com quem procriou três filhos: José Ricardo Porto, Geraldo Porto e Sílvio Pélico Porto Filho – os dois primeiros, tornaram-se magistrados; o outro, também advogado, integra o quadro da Defensoria Pública da Paraíba. Eram seus pais: José Domingues Porto e D. Nautília da Gama Porto. Ele também enveredou pelo terreno da política partidária, tendo concorrido, na trajetória, a alguns cargos eletivos, no que melhor sobressaiu como consultor e requisitado tribuno, com atuação, mais marcante, em João Pessoa e na região do Brejo.

Para o desembargador José Ricardo Porto, vice-presidente do TRE-PB e presidente da 1ª Vara Cível do TJPB, a iniciativa do tribunal, de lembrar os 100 anos de nascimento de Sílvio Pélico Porto, não apenas enche, de júbilo, o conjunto de seus familiares, como faz justiça a um dos homens públicos que muito pôde realizar em defesa dos superiores interesses da coletividade paraibana, através de todos os cargos que ocupou, fazendo tudo à sua maneira, porém, sem jamais fugir ao rigor dos ditames legais. Já o juiz Geraldo Porto, titular da 7ª Vara Criminal da Capital, e juiz eleitoral de João Pessoa, seu pai foi um exemplo de honradez, dotado de vasta cultura jurídica e literária, e de grave dignidade, ressaltando que todos esses atributos ele conseguiu transferir, para seus filhos, em forma de lição de vida. Zeca Porto – como é mais conhecido -, agradecerá a homenagem em nome de toda a família.

Para Sílvio Pélico Porto Filho, defensor público em plena atividade, a celebração do
Centenário natalício de seu pai traduz um elevado gesto de reconhecimento ao conjunto de valores – humanos e profissionais – de um homem detentor de grave formação cultural e política, de grave viés humanístico, que muito contribuiu para o Desenvolvimento geral da Paraíba, por décadas. E, como avalia o desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque, que está à frente da CCM, a homenagem se reveste de todo o verniz de um cidadão que soube se enquadrar, perfeitamente, em todos os compartimentos da geometria da grandeza humana, com talento e formação de alguém talhado para o exercício da promoção do Bem Comum, com um senso de justiça que bem interpreta o princípio de dignidade humana.

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

‘Perdão pelo meu erro involuntário’, declara ex-secretário de Cultura

Após ser demitido pelo presidente Jair Bolsonaro, Roberto Alvim pediu perdão à comunidade judaica por ter copiado um discurso do ministro de propaganda da Alemanha nazista, Joseph Goebbels  em um vídeo oficial. Em seu perfil no…

Compra de medicamentos extra-SUS crescem 30% na Paraíba

Os investimentos para aquisição de medicamentos não incorporados no Sistema Único de Saúde (SUS) realizados pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), registraram um…