A Paraíba o tempo todo  |

PMDB sugere um novo programa habitacional

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

O deputado federal Vital do Rego Filho (PMDB-PB) disse nesta segunda-feira (30) que o PMDB fechou questão no final de semana e decidiu fazer gestão junto ao Governo Federal para que o programa de habitação popular ‘Minha casa, minha vida’ contemple cidades com menos de 100 mil habitantes. O programa foi lançado na última quarta-feira (25), com o objetivo de construir 1 milhão de moradias de baixo custo em cidades com mais de 100 mil habitantes.

Segundo Vital Filho, a proposta repassada ao Governo beneficiará as pequenas cidades brasileiras, onde está a maioria dos prefeitos peemedebistas. “A capilaridade da atuação do PMDB mostra que o partido é o mais presente em cidades com menos de cem mil habitantes, justamente cidades que ficaram de fora do programa. Por isso fechamos questão neste aspecto e vamos ao governo, pedir pelos municípios pequenos”, afirmou Vitalzinho.

Ele lembrou que o PMDB vai ficar com a relatoria de uma comissão formada para acompanhar a execução das obras nos municípios, coordenando o orçamento direcionado ao programa. “Com a presença do PMDB nesta comissão nós ganhamos poder suficiente para pedir ao governo a ampliação do programa e eu tenho certeza de que o partido será atendido”, disse Vital.

Reunião com prefeitos

O anúncio de que o Governo Federal deverá atender o pedido do PMDB foi repassado a prefeitos paraibanos que participaram, neste final de semana, de uma reunião com o deputado Vital Filho. O encontro foi realizado no Hotel Village, em Campina Grande, e serviu para que Vitalzinho repassasse a prefeitos de sua base aliada informações importantes sobre orçamento, captação de verbas, redução do FPM e formas alternativas de conseguir verbas do Governo Federal.

Durante a reunião, Vital Filho apresentou consultores de Brasília especializados em atendimento aos municípios, captação de verbas e ordenamento de despesas. “Foi uma reunião proveitosa, porque nós sabemos que as cidades não podem ficar o ano todo apenas esperando as verbas oriundas de emendas parlamentares. Existe uma série de outras modalidades de captação de recursos e nós temos que proporcionar o acesso dos nossos municípios a essas formas alternativas”, disse.

Assessoria

CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe