A Paraíba o tempo todo  |

Paraíba registra mais de 700 acidentes de trabalho em quatro meses na Paraíba

Na semana marcada pelo Dia Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho, um dado preocupante: A Paraíba registrou 707 acidentes de trabalho, no período de janeiro a abril de 2022, segundo dados divulgados pelo Centro Regional de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest).

Desse total, 82% do total de atendimentos são referentes a acidentes de trabalho considerados graves. Conforme o Cerest, o levantamento se refere aos dados da primeira macrorregião de Saúde do estado, que abrange 64 municípios na região de João Pessoa. Os dados foram extraídos pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde.

Segundo o órgão, vinculado à Diretoria de Vigilância em Saúde da capital paraibana, os casos de acidentes relacionados ao trabalho são muito maiores porque os casos de adoecimento não são registrados em sua totalidade. Por outro lado, ainda existem as situações de subnotificação, que não se somam aos casos contabilizados.
Só no primeiro semestre deste ano, o Cerest realizou 47 inspeções, beneficiando cerca de 30 mil trabalhadores.

Ainda de acordo com os dados do Cerest, neste período foram inspecionadas empresas do comércio, construção civil, telecomunicações, confecções, indústria têxtil, telecomunicações, confecções, envios e entregas de correspondências, transporte público e privado, hortifruti, hotelaria, segurança pública, saúde, educação e outros setores econômicos.

De acordo com o diretor do Cerest, Kleber José, a denúncia pode ser feita por todos os trabalhadores que perceberem que as condições presentes no ambiente e na organização dos processos de trabalho estão contribuindo para a ocorrência de acidentes, doenças ou agravos advindos da função e, que a empresa, seja pública ou privada, não está adotando as medidas de proteção coletiva e individual para atenuar, controlar ou eliminar os riscos naquele processo de trabalho.

Segundo ele, os estabelecimentos públicos ou privados tornam-se alvos das ações de inspeção a partir das denúncias das condições insalubres que contribuem para afastamento dos trabalhadores por acidentes ou doenças de trabalho.

Redação

PUBLICIDADE
    VEJA TAMBÉM

    Comunicar Erros!

    Preencha o formulário para comunicar à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta matéria do PBAgora.

      Utilizamos ferramentas e serviços de terceiros que utilizam cookies. Essas ferramentas nos ajudam a oferecer uma melhor experiência de navegação no site. Ao clicar no botão “PROSSEGUIR”, ou continuar a visualizar nosso site, você concorda com o uso de cookies em nosso site.
      Total
      0
      Compartilhe