Relato hoje um acontecimento que presenciei, quando ainda estava no Sistema Correio de Comunicação. Vou relatar o milagre, mas acho prudente não mencionar os santos e pecadores, para não constranger terceiros. O episódio ocorreu durante o intervalo do programa, portanto de microfones desligados. Mas é fato.

Éramos três na bancada, no horário do Balanço Geral (18h): eu, um colega de microfone e o entrevistado – àquela época uma grande liderança política da Paraíba -, que certa vez o próprio Jornal Correio, em artigo publicado na primeira página – o que não é comum -, o apelidou de Galinho de Chantecler, comparando-o àquele galo tão embriagado de vaidade que achava que o dia amanhecia só porque ele canta…

Pois bem: durante o intervalo do programa radiofônico, um colega vinha descendo as escadas de acesso à TV Correio e, de longe, pelas vidraças, reconheceu pelas costas o entrevistado. Quase automaticamente, mudou de rota tomando rumo aos estúdios da emissora, a fim de cumprimentar a autoridade.

Entrou, cumprimentou o entrevistado cordialmente e partiu.

O colega, que carregava marcas de perseguição do grupo ligado à autoridade em questão, ainda atravessava a soleira da porta quando meu companheiro de bancada, forjando uma indignação comentou, para o deleite do entrevistado:

– Mas é de lascar, esculhamba com você o tempo todo e ainda vem aqui lhe apertar a mão.

O entrevistado, de cima de sua conhecida soberba desmedida e, de peito estufado, reagiu:

– Ah, mas é claro que ele tem que vir aqui beijar a minha mão; ele sabe que aqui está um cara importante…

O tal importante hoje não é quase nada…

Nosso colega, entretanto, continua um jornalista renomado, um dos nossos melhores escritores contemporâneos, com obras publicadas na Europa, e dono de um portfólio literário que lhe credencia para a Academia Paraibana de Letras.

A roda da vida tá sempre dando as suas voltas…

Desce o pano.

Sem sorte

Aliás, o nosso colega jornalista e escritor, não tem tido sorte com governos. Em Campina Grande os donos do poder quase lhe deixaram de tanga, armaram-lhe um cerco de perseguição e pressionaram o veiculo de comunicação em que ele trabalhava para que o demitissem.

Quando o firo da má fé estava se fechando, o competente profissional passou num concurso público federal e mudou-se para João Pessoa.

Outra lapada

Mas, pelo que se vê, ele se queixa de ter sido novamente perseguido pelo governo girassol socialista.

Estaria a roda da história girando novamente?…

 

Wellington Farias

PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

João e governadores do NE demonstram indignação com postura do Governo Federal

O governador João Azevêdo participou, nesta sexta-feira (27), de mais uma videoconferência com os demais governadores do Nordeste que buscam a implementação de medidas conjuntas para o enfrentamento do coronavírus.…

Comerciantes fazem carreata para pedir abertura do comércio em João Pessoa

Mesmo com as recomendações dos especialistas para evitar aglomeração de pessoas em tempos de combate ao novo coronavírus, um grupo de comerciantes fez uma carreata para pedir a abertura do…