Por pbagora.com.br

O que se segue é um texto extremamente bem elaborado – que o titular da coluna gostaria de ter escrito – e sobretudo muito atual.
Da autoria do jornalista Laerte Cerqueira, repórter da TV Cabo Branco, a coluna transcreve o texto abaixo, originalmente publicado no Observatório da Imprensa, sob o título mantido no topo:
“Viver, curar-se, é a normalidade. Anormal é morrer. Anormal é morrerem quase 6 mil pessoas em menos de dois meses. O jornalismo questiona e relata a anormalidade. Pede soluções para a anormalidade. Nesta tempestade, mostra o que é, de fato, dolorosamente anormal: caixões empilhados, covas e enterro sem despedida. A preço de hoje, difícil imaginar que é aproveitar a tragédia para vender (até porque, ninguém está vendendo nada), como acusam alguns fanáticos da conspiração da mídia.

É para lembrar, alertar para muita gente irresponsável, que não é normal essa situação. Para lembrar que não é normal escolher quem vai morrer ou viver, como têm feito muitos médicos no país. E é isso que deve ser relatado, denunciado. Não vamos ver, em nenhum país do mundo e em nenhuma época, o jornalismo priorizando “o elevador funcionando”, porque ele foi feito para funcionar. Mas o jornalismo vai questionar e mostrar que o elevador quebrou, matou, feriu ou assustou alguém. As curas, as boas histórias, estão na TV e nos sites. É fácil encontrar em qualquer busca.

Jornalistas choram com boas histórias. E como é bom vê-las. Realidade que alivia. Mas também choram e sentem muito em ter que relatar as mortes, as desigualdades e distorções. Relatar milhões de pessoas embaixo de chuva e sol, arriscando-se para conseguir um auxílio de 600 reais. Ali tem desespero, tem falha do poder público, tem que ter jornalismo. Não foi a mídia que criou a pandemia, a falta de respiradores, a falta de equipamentos de proteção individual, as centenas de mortes por dia. O tratamento dado a esses temas tem que ser real, com todas as dores.

A realidade, que machuca, ganha destaque porque é usada para cobrar solução, porque a sociedade precisa estar em unidade, porque a politicagem vai matar mais gente, porque o poder público, colchão protetor, não pode lavar as mãos; porque a tarefa da imprensa é questionar. Fora isso, é assessoria. Pânico? Pode ser um efeito colateral. Mas, quando a onda vem sobre as nossas cabeças, soa como um aviso. Daqueles que exigimos nos terremotos, desabamentos de terra e estouros de barragens. Um alerta para a sensatez, para a solidariedade: proteger-se e proteger o outro. Esse é o alarme que avisa: “corra, cuide dos seus, cuide do outro, vamos diminuir a dor, vamos diminuir sofrimento, vamos para um lugar seguro”.

O recorte do jornalismo, o enquadramento, claro, precisa destacar isso. É que, para cobrar a normalidade, é necessário mostrar o anormal, com a subjetividade de qualquer ser social. Há quem vá se sensibilizar com as imagens, há também quem vá entender que o excesso pode nos tornar mais insensíveis. A questão é que, para a maioria, os números, infelizmente, só deixarão de ser números que causam pânico (e não um alerta) quando o enterro sem despedida, uma espécie de apagão, for de alguém próximo.”
*
Transcrito do Observatório da Imprensa
http://www.observatoriodaimprensa.com.br/coronavirus/sobre-caixoes-e-covas-no-horario-nobre-o-retrato-da-realidade-brasileira/
Laerte Cerqueira é jornalista, professor universitário, doutor em Comunicação (UFPE) e autor do livro A função pedagógica do telejornalismo.

 

Wellington Farias

PB Agora

Por Wellington Farias

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Prefeito Renato Mendes diz que vai recorrer de indeferimento de registro de candidatura

Após ter sua candidatura à reeleição indeferida pelo juiz eleitoral, Antônio Eymar de Lima, da 73ª Zona Eleitoral do Município neste sábado (24), o prefeito Renato Mendes (DEM) afirmou que…

Banco deve indenizar em R$ 10 mil cliente que foi feito refém durante assalto

A Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba negou provimento à Apelação Cível nº 0807307-53.2015.8.15.0001 interposta pelo Banco Santander S/A, que foi condenado pelo Juízo da 4 Vara…