Por pbagora.com.br

A cela, todos sabem, é um lugar claustrofóbico. Tal realidade é fácil de ser constatada. E para aquele ou aquela que se encontra em locais como esse, tolhido de um princípio basilar da Constituição Federal, que aponta o direito do cidadão de ir e vir, trata-se de um caso de exceção. É quando o indivíduo, de alguma forma, transgride as leis vigentes no Brasil.

Para regular e aplicar as penalidades há o Poder Judiciário. E bem antes há órgãos como o Ministério Público e instituições, e aqui cito uma delas: a Polícia Federal. E nesse discorrer entendo a função essencial de todos que acabei de citar para o cumprimento da lei, assegurando a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais.

E nesses pensamentos jurídicos surgidos pela turbulência política, sanitária e econômica que passa o país, entendo que a lei deve ser cumprida com firmeza, caso contrário a anarquia dilaceraria o Estado. Foi nesse momento que me lembrei do radialista e empresário Fabiano Gomes, e confesso, os pensamentos sobre ele me inquietaram, em especial a prisão ocorrida em 10 de março, havendo como alegação ser ele suposto integrante de um esquema que desviou R$ 134,2 milhões da pasta da Saúde, que desencadeou a Operação Calvário.

Pois bem, Gomes foi preso . E ficou numa cela por dez dias, o que seria justo se houvesse delito. Mas, no entendimento do desembargador Ricardo Vital, do Tribunal de Justiça da Paraíba não houve crime. O magistrado decidiu não receber denúncia do Ministério Público do Estado contra o comunicador.

Motivo? Falta de provas. Algo simples de entender. E assim como Fabiano Gomes outros tantos, por uma falha no inquérito ou outro motivo, hoje se encontram na claustrofóbica cela. E pior: sem exceções, ficarão pelo resto de suas vidas em barras imaginárias de ferro. Perderam, ou perderão por certo tempo o direito de ir e vir. Falo aqui dos que estão de forma indevida presos.

Como efeito colateral, sofre a família e, principalmente, esposa e filhos. E aqui encerro essa minha reflexão. Pouco ou nenhum contato tenho com Fabiano Gomes. Trabalhei em um dos seus empreendimentos e sempre foi cordial para com minha pessoa, daí a gentileza gera a gentileza.

Cabe agora o “Gordinho”, como é chamado, colocar o ânimo em dia e seguir sua vida da forma mais natural possível. Em certos casos é bom mesmo é quebrar o retrovisor.

Por fim, uma pergunta simples, embora relevante. Qual o grande órgão de comunicação da Paraíba deu o mesmo tempo ao comunicador quando ele foi preso e em seguida excluído da Operação Calvário?

Eliabe Castor
PB Agora

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Aulas presenciais na PB só devem retornar em 2021 após conclusão de sorologia

As aulas presenciais nas Paraíba só devem ser retomadas em 2021. Isso porque o governo irá realizar um inquérito sorológico que será feito em duas mil residências de estudantes no…

MPE requer investigação contra PP e candidato do partido, em Sapé

O Ministério Público Eleitoral (MPE) da Paraíba pugnou pela execução de multa no valor de R$ 10 mil e pela remessa de cópia dos autos à Delegacia de Polícia para…