Por Eliabe Castor

A cela, todos sabem, é um lugar claustrofóbico. Tal realidade é fácil de ser constatada. E para aquele ou aquela que se encontra em locais como esse, tolhido de um princípio basilar da Constituição Federal, que aponta o direito do cidadão de ir e vir, trata-se de um caso de exceção. É quando o indivíduo, de alguma forma, transgride as leis vigentes no Brasil.

Para regular e aplicar as penalidades há o Poder Judiciário. E bem antes há órgãos como o Ministério Público e instituições, e aqui cito uma delas: a Polícia Federal. E nesse discorrer entendo a função essencial de todos que acabei de citar para o cumprimento da lei, assegurando a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais.

E nesses pensamentos jurídicos surgidos pela turbulência política, sanitária e econômica que passa o país, entendo que a lei deve ser cumprida com firmeza, caso contrário a anarquia dilaceraria o Estado. Foi nesse momento que me lembrei do radialista e empresário Fabiano Gomes, e confesso, os pensamentos sobre ele me inquietaram, em especial a prisão ocorrida em 10 de março, havendo como alegação ser ele suposto integrante de um esquema que desviou R$ 134,2 milhões da pasta da Saúde, que desencadeou a Operação Calvário.

Pois bem, Gomes foi preso . E ficou numa cela por dez dias, o que seria justo se houvesse delito. Mas, no entendimento do desembargador Ricardo Vital, do Tribunal de Justiça da Paraíba não houve crime. O magistrado decidiu não receber denúncia do Ministério Público do Estado contra o comunicador.

Motivo? Falta de provas. Algo simples de entender. E assim como Fabiano Gomes outros tantos, por uma falha no inquérito ou outro motivo, hoje se encontram na claustrofóbica cela. E pior: sem exceções, ficarão pelo resto de suas vidas em barras imaginárias de ferro. Perderam, ou perderão por certo tempo o direito de ir e vir. Falo aqui dos que estão de forma indevida presos.

Como efeito colateral, sofre a família e, principalmente, esposa e filhos. E aqui encerro essa minha reflexão. Pouco ou nenhum contato tenho com Fabiano Gomes. Trabalhei em um dos seus empreendimentos e sempre foi cordial para com minha pessoa, daí a gentileza gera a gentileza.

Cabe agora o “Gordinho”, como é chamado, colocar o ânimo em dia e seguir sua vida da forma mais natural possível. Em certos casos é bom mesmo é quebrar o retrovisor.

Por fim, uma pergunta simples, embora relevante. Qual o grande órgão de comunicação da Paraíba deu o mesmo tempo ao comunicador quando ele foi preso e em seguida excluído da Operação Calvário?

Eliabe Castor
PB Agora

Por Eliabe Castor

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

MPPB irá investigar prefeito após ele ser o 1º a tomar a vacina contra a covid-19

O fato do prefeito da cidade de Pombal, Abmael Lacerda, mais conhecido como dr. Verissinho ter sido o primeiro na cidade a tomar a vacina contra a covid-19, vai ser…

Trabalhador tem mão amputada enquanto operava máquina, em Santa Rita

Um homem teve a mão amputada, na manhã desta quinta-feira (21), enquanto fazia a manutenção de uma máquina em uma fábrica de tecidos, na cidade de Santa Rita, na Grande…