Por Wellington Farias

Há uma inquietação latente, no âmbito da tropa da Polícia Militar da Paraíba, com o Governo do Estado. São reclamações de várias ordens, sobretudo inerente aos soldos, benefícios etc. e tal.

Também há muita queixa sobre as condições de trabalho e a redução do contingente de policiais que cobre todo o Estado da Paraíba. Muito pouca gente, precárias condições de trabalho e salários pra lá de defasados. É um “pacotaço” de problemas que está tirando o sono e a paciência da tropa.

É bom o governador João Azevêdo por as barbas de molho. Por questão de disciplina e hierarquia, os policiais militares são os últimos a externar suas inquietações. Quando elas começam a surgir, é porque a situação está ficando séria.

De canto a canto

A insatisfação da tropa é geral. Vai de Cabedelo a Cachoeira dos Índios. Em contato com o colunista, nesta terça-feira (27), vários militares confirmaram a situação tensa na tropa. “Estamos todos revoltados com este governo, mas não podemos falar porque tememos retaliações”, comentou um soldado da PM acrescentando, por exemplo, que dentre vários outros problemas, o Governo está pagando a um cabo o mesmo soldo que paga a um soldado. Ou seja: o policial ganha uma faixa a mais no galão, mas aumento de soldo que é bom, justo, merecido e direito… já esta.

Outro policial avançou: “A Polícia Militar da Paraíba está a cada diz mais desmoralizada. Recebemos o pior soldo do País; o efetivo está muito reduzido, de modo que há cidades do interior do Estado sendo assistida por apenas um policial militar escalado para serviço; com isso, ficam dois militares para atender duas ou mais cidades. Também não temos plano de Cargos, Carreira e Remuneração”.

Policiais explicaram à coluna que o Governo paga o soldo mais gratificação. Quando o policial se aposenta, o que ele passa a receber incide apenas sobre o soldo, o líquido. Por isso, detalharam, “que o pessoal da Guarda da Reserva é obrigada (pela necessidade) a voltar para a ativa, mesmo depois de 30 anos”.

Servidor inadimplente

A Assembleia da Paraíba aprovou, por unanimidade, o Projeto de autoria da deputada Pollyanna Dutra, que protege servidores estaduais de inadimplência involuntária em razão de cumprimento de legislação estadual.

A matéria toma por base a suspensão, durante o período de pandemia, das parcelas de empréstimos consignados dos servidores, que, agora, estão sendo cobrados com juros e multas por parte das instituições bancárias após a declaração de inconstitucionalidade da matéria.

Por consequência, os servidores estão sujeitos a comprometer mais de 60% dos seus salários para cumprir com os pagamentos de várias parcelas dos empréstimos concomitantemente, além dos juros, multas, dentre outros.

Conforme a lei proposta por Dutra, “ficará vedada a cobrança de juros, multas e demais encargos financeiros, além da inscrição do consumidor junto aos órgãos de proteção ao crédito, em razão do inadimplemento de contratos de financiamento, quando o inadimplemento das parcelas decorrer de ação de boa-fé do consumidor no cumprimento de legislação vigente à época do inadimplemento”.

Por Wellington Farias

Notícias relacionadas

Justiça suspende vacinação de professores em JP; detentos devem vir primeiro

A Justiça Federal acatou o pedido dos MPs (MPPB e MPF) e suspendeu a vacinação contra a covid-19 dos profissionais de educação em João Pessoa. A imunização aconteceria neste final…

Sine Municipal oferece 121 vagas de empregos em Campina Grande

A Prefeitura de Campina Grande, por meio do Sine Municipal, está oferecendo vagas de emprego nesta sexta-feira, 14. Estão disponíveis 121 oportunidades no sistema, com a necessidade de comprovação da…