Por Wellington Farias

O Governo da Paraíba não tem absolutamente nada a ver com o aumento de preço dos combustíveis.

Este é um assunto inerente à política de preços adotada pela Petrobrás. Portanto, o Governo da Paraíba, e nem outro governo de Estado, tem absolutamente nada a ver com a escalada descontrolada e perversa dos aumentos de preço de nenhum combustível.

Quanto à Paraíba, particularmente, observa-se que falta ao Governo do Estado partir para uma contraofensiva às fake news oriundas do Governo Jair Bolsonaro que tem tentado, com relativo êxito, enganar o povo brasileiro, atribuindo aos governos dos estados a responsabilidade pelos constantes aumentos de preços dos combustíveis, especialmente da gasolina.

Mentiras
A indústria das mentiras do Governo Bolsonaro tem espalhado, aos quatro cantos, a falsa informação de que os combustíveis estão encarecendo por conta dos impostos cobrados pelos governos estaduais. Uma tremenda mentira. Aliás, quando em outros tempos a gasolina era bem baratinha, os estados já cobravam os referidos impostos nos padrões de sempre.

Na verdade, o Governo Bolsonaro que havia prometido, entre muitos pacotes de ilusões, combustível mais barato do que quando assumiu o Governo, simplesmente andou fazendo intervenções e lambanças na Petrobrás que culminaram com uma política de preços absolutamente perversa, sobretudo, para os profissionais autônomos como caminhoneiros, taxistas, uberistas, etc.

De acordo com o noticiário especializado, o custo de produção de barril de petróleo na Petrobrás, mesmo incluindo os abusos de impostos federais, custa 40 dólares. A Petrobrás, no entanto, cobra do consumidor pelo preço do barril nada menos que 80 dólares, baseado na especulação diária internacional.

O problema, portanto, está na dolarização da produção do petróleo brasileiro.

O Brasil está importando mais de 300 milhões de barris de gasolina, óleo diesel, gás de cozinha e querosene de aviação do estrangeiro. Oitenta por cento disso oriundo dos Estados Unidos.

O combustível brasileiro em vez de ser processado pelo preço do real é processado em dólar, que na gestão do mesmo Bolsonaro só dispara.
Aí já viu, né?…

Parlamento
Na sessão ordinária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira (17), coube ao deputado Tovar Correa Lima repassar a fake news bolsonarista. Ele atribuiu ao Governo do Estado, mediante cobrança de impostos, a responsabilidade pelo aumento dos combustíveis.

No rebate ao discurso orientado pelo bolsonarismo, o presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino, no decorrer da sessão telefonou para o secretário da Fazenda Estadual, Marialvo Laureano, para se inteirar da situação.

Na resposta que foi repassada pelo presidente em Plenário virtual, o secretário negou com veemência que o governo do Estado tenha decretado aumento de impostos incidindo sobre preços de combustíveis. Além disso, antecipou não haver qualquer possibilidade de o Governo da Paraíba baixar decreto neste sentido.

O que falta
Particularmente quanto ao Governo da Paraíba, o que se percebe é certa timidez no rebate à fake news bolsonarista sobre preços de combustíveis. Melhor dizendo, seria preciso uma estratégia de divulgação e de rebate às mentiras envolvendo desde a liderança do Governo na Assembleia Legislativa, ao próprio setor de divulgação do Estado, afim de que essa mentira seja desmoralizada.

Por Wellington Farias

Notícias relacionadas

CCJ da ALPB aprova multa de até R$ 100 mil a quem participar de aglomerações

A Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) aprovou, em reunião realizada nesta segunda-feira (12) por videoconferência, a aplicação de multas aos proprietários ou…

Justiça nega pedido da Limpebras e mantém rescisão unilateral promovida pela Emlur

A juíza Flávia da Costa Lins Cavalcanti, da 1ª Vara de Fazenda Pública da Capital, negou, nesta segunda-feira (12), pedido liminar em sede de Mandado de Segurança impetrado pela empresa…