Primeiro, vamos combinar: foi na gestão do prefeito Luciano Cartaxo em que se planejou e executou o melhor projeto urbanístico e paisagístico do Parque Solon de Lucena, desde a sua concepção original datada dos anos 40 do século passado e da lavra do internacional Burle Marx. A partir desta radical transformação, o mais emblemático cartão-postal de João Pessoa tomou a sua melhor forma, oferecendo ao pessoense um parque com pê maiúsculo, à semelhança do que se verifica nos maiores centros urbanos, dentro e fora do Brasil.

Quanto a este mérito da gestão Cartaxo, não há o que se discutir. Sobram, ainda, algumas queixas quanto à falta de estacionamento etc e tal. Mesmo assim, o projeto atual é infinitamente melhor do que todos os anteriores – excetuando-se, é claro, o original, que por décadas esteve em dia com o seu tempo. Até então, o Parque Solon de Lucena havia sido transformado num antro de prostituição, ponto de drogas, feira de troca e bebedeira. Sem falar na sujeira, que dava na canela.

Mas…

O que não dá para entender é a falta de respeito da gestão de Luciano Cartaxo com a lei, a história e, sobretudo, com a memória do grande paraibano (de Bananeiras) e ex-governador da Paraíba, Solon de Lucena, cujo nome foi dado ao mais conhecido logradouro da capital da Paraíba: ao arrepio da lei, do que pensam e desejam os pessoenses, tem envidado os esforços, por uma estratégia de marketing, para mudar o nome do Parque Solon de Lucena para Parque da Lagoa.

Que Parque da Lagoa? O que é isso, e onde fica? Ninguém sabe. O pessoense nunca ouviu falar nesse tal Parque da Lagoa, a não ser a partir deste desrespeito da atual gestão com a história da cidade. Até em sua propaganda oficial e através dos seus discursos oficiais, troca o nome do logradouro, na tentativa de imprimir na memória dos pessoense essa nova, inexplicável e horrorosa denominação.

Seja por questão de bom senso mas, sobretudo, por respeito à memória de Solon de Lucena e a vontade dos pessoense (jamais consultados sobre a tal mudança), o prefeito Luciano Cartaxo deveria ter abortado esta deplorável ideia de, a pulso, tentar mudar o nome do antigo Lago dos Irerês depois transformado (por lei) em Parque Solon de Lucena.

Pega muito mal. Dá a impressão de que Luciano Cartaxo quer entrar para a história como tendo sido ele o prefeito que originalmente construiu aquele logradouro e já com o nome do Parque da Lagoa.

A estratégia da propaganda oficial da gestão de Cartaxo é promover uma consagração popular de outra denominação do Parque Solon de Lucena, ao seu agrado e conveniências. O pessoense que nasceu depois da reinauguração do parque provavelmente nem sonha que o verdadeiro nome do logradouro é Solon de Lucena, mas Parque da Lagoa.

Além de agredir a lei, a memória de um grande paraibano, a manobra de marketing da Prefeitura de João Pessoa ainda mente para as novas gerações.

Histórico
O Parque Solon de Lucena, que os Cartaxos querem que seja Parque da Lagoa, é a maior área verde do centro da Capital da Paraíba. Pela sua localização é muito disputada para a realização de grandes eventos políticos, culturais, esportivos etc.
Segundo a enciclopédia virtual wikipedia, até o início do século XX, a região onde se situa este logradouro era um pântano conhecido como «lagoa dos Irerês», em virtude do grande número de marrecos que buscavam suas águas.

Anteriormente, a lagoa era parte de um sítio pertencente aos jesuítas franciscanos, vindo posteriormente a ser palco do «Engenho da Lagoa». Foi na administração do governador Sólon de Lucena e do prefeito Walfredo Guedes Pereira, que esse brejo foi urbanizado (1925) e finalmente transformado em parque público.
A partir de 1924, surgiu a denominação «Parque Solon de Lucena», em homenagem ao referido governador da época. Em 1940, a lagoa foi guarnecida com calçamento novo e sua fonte luminosa, iniciativa do governo de Argemiro de Figueiredo.

Eventos históricos
Em 25 de agosto de 1975, ainda segundo a wikipedia, enquanto autoridades militares promoviam passeios em uma balsa para comemorar a Dia do Soldado, ocorreu uma tragédia de grandes proporções causada pelo número excessivo de passageiros embarcados nesse veículo aquático, levando à morte por afogamento trinta e cinco pessoas, das quais vinte e nove crianças. Este fato, ocorrido no dia 25 de agosto de 1975 foi a maior tragédia já registrada no local, e que resultou na morte de 35 pessoas, das quais, 29 eram crianças.

 

Outros fatos
Num dia de 1981, em decorrência de fortes chuvas que caíram à noite, duas estudantes que moravam num pensionado da Avenida 13 de Maio, área central de João Pessoa, foram arrastadas para dentro da lagoa do Parque Solon de Lucena, após o desabamento do piso da antiga residência, sob a qual passava uma das galerias fluviais descambavam na lagoa. As duas passaram por toda a tubulação, e uma morreu.

Mais uma
Outro acontecimento registrado, este em 2007, é o de um ônibus que conduzia 80 passageiros caiu dentro da Lagoa. “Não houve mortes. O veículo perdeu os freios na descida da Avenida Getúlio Vargas, bateu em outro e em uma palmeira antes de mergulhar na Lagoa”, relatou o jornalista, que atuou como repórter e editor em jornais da cidade e fez a cobertura jornalística dos fatos relatados no livro que escreveu sobre a Lagoa.

Sobre Solon de Lucena
Filho de Virgínio de Melo e Amélia Barbosa de Lucena, sobrinho-neto do barão de Lucena e primo em 2º grau de Epitácio Pessoa, segundo a wikipedia. Assumiu o governo da Paraíba, de 1 de julho a 22 de outubro de 1916, quando presidente da Assembleia Legislativa, devido à renúncia por motivos de saúde de Antônio da Silva Pessoa.

Foi eleito presidente da Paraíba em 22 de julho de 1920, governando o estado de 22 de outubro de 1920 a 22 de outubro de 1924. Construiu, em 1923, a primeira escola pública de Campina Grande, o Grupo Escolar Solon de Lucena, onde funciona atualmente a reitoria da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que teve como primeiro diretor Mário Gomes.

Em 1922 urbanizou a área no entorno da Lagoa dos Irerês, localizada no centro de João Pessoa, criando o Parque Sólon de Lucena, o principal cartão postal da capital paraibana.

Wellington Farias

PB Agora

Total
2
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

UEPB está entre as instituições que pode reduzir participação no Sisu

Diversas universidades estaduais estão cogitando retirar vagas do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), plataforma usada pelo Ministério da Educação (MEC) para ofertar vagas em Instituições Públicas de Ensino Superior usando as notas…

Concurso para Procuradoria do Estado terá 12 vagas e edital deve sair em novembro

O concurso público da Procuradoria-Geral do Estado da Paraíba terá 12 vagas para o cargo de procurador. A informação foi revelada pelo procurador-geral do Estado, Fábio Andrade Medeiros. Fábio Andrade…