Por pbagora.com.br

A quarta fase da Operação Xeque-Mate, desencadeada na manhã desta quarta-feira (22) e que teve como alvo a Associação de Proteção Ambiental (Apam), com sede em Campina Grande e o conselheiro do TCE-PB, Fernando Catão, foi solicitada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

O pedido teria sido feito com o intuito de reunir provas do suposto esquema criminoso que envolveu o pagamento de vantagens indevidas a políticos com o propósito de impedir a construção do shopping Pátio Intermares.

A solicitação da procuradora-geral foi acatada pelo relator do caso no STJ e teve quer ser feita através do referido tribunal por conta da posição que Catão ocupa. Nessa fase foram solicitados apenas mandados de busca e apreensão e nenhum de prisão.

 

PB Agora

 


Veja como adquirir a certificação digital para pessoa física sem burocracia

 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Polícia encerra vaquejada na PB com aglomeração de quase 200 pessoas

Em tempo de pandemia do Covid-19, a Polícia Militar encerrou um evento de uma vaquejada na Paraíba com aglomeração de quase 200 pessoas. Uma mulher de 39 anos foi detida…

Ouro Velho, no Cariri, é a única cidade da Paraíba sem registro de coronavírus

Após mais de 4 meses desde o primeiro caso registrado de coronavírus na Paraíba, apenas a cidade de Ouro Velho, no Cariri, ainda não confirmou nenhum caso da doença. Até…