Psicoterapeuta ensina como reorganizar a rotina 

Oficialmente hoje, segunda-feira (03), boa parte da rede de ensino do Brasil retorna às aulas. Esse processo acarreta, tanto para os pais, quanto para os alunos, em função da volta à rotina. É uma fase de adaptação para os iniciantes e, também, readequação para os alunos que já sabem basicamente como funcionam uma rotina escolar.

Nas férias, sem a necessidade de acordar cedo, lição de casa para fazer ou outros compromissos, o estudante se acostuma com outro ritmo e, à medida que o retorno à escola se aproxima, é preciso restabelecer a antiga rotina para que ele esteja, de fato, preparado para o retorno das aulas. 

O psicoterapeuta Iarodi Bezerra fala sobre a importância dos pais nesse processo. “Eu percebo que os pais cobram imediatamente o cumprimento da rotina, a adaptação ao horário de acordar e esquecem que as crianças estavam em uma fase de brincadeiras. O ritmo irá voltar aos poucos”, explica Bezerra.

O especialista alerta que “crianças, dificilmente, irão retornar com vontade de estudar, já impulsionadas pelo desejo de aprender. Isso vai acontecendo gradativamente, com o estímulo da escola e dos responsáveis”. 

Se para os estudantes é difícil, para os pais, a aflição também pode ser grande. A microempresária Caroline Cerqueira, 33, vive essa angústia com o pequeno Manuel. Aos 2 anos, ele irá iniciar na educação infantil. “Na verdade, estou preocupada desde o dia em que fui realizar a matrícula. Ele é tão pequeno, mas já precisa começar a estudar esse ano. Espero que ele se adapte bem rápido e tenha uma boa relação com os coleguinhas”, anseia a lojista, na expectativa para deixar o filho na escola pela primeira vez.

“Para esses pais, no primeiro momento, o principal é lidar com a ferida narcísica do desapego e trabalhar a ansiedade em relação às crianças. O choro, a birra e chateação serão naturais; então, é compreender que eles precisam de tempo para adaptação e seguir as recomendações das escolas que, em alguns casos, solicitam a permanência dos pais por um período”, aconselha Iarodi.

Outro viés de preocupação é a gestão financeira para o início das aulas. Além das mensalidades, custos com transporte e materiais escolares pesam no orçamento doméstico. “Esse é um outro fator que pode acarretar cobranças e expectativas dos pais em relação aos filhos, principalmente os que estão no ensino médio”, conclui Bezerra.

 

Bolsas de estudo para a educação básica

 

Para facilitar a vida de milhares de brasileiros é que existe o Educa Mais Brasil. O programa foi criado para gerar um vínculo educacional com famílias que têm dificuldade para pagar as mensalidades escolares integrais. Através de bolsas de estudo, com descontos de até 70%, desde a educação básica, passando por todas as modalidades de ensino. Assim, fica mais fácil iniciar o ano letivo com um melhor gerenciamento financeiro e garantir uma educação de qualidade para os filhos. Acesse o site e confira as vagas disponíveis!

Fonte: Agência Educa Mais Brasil 

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Alerta: em três dias, cerca de 10.400 idosos usaram ônibus em CG

Em tempos de cuidados para evitar o contágio com o novo coronavírus, a Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos (STTP), voltou a apelar aos idosos para permanecerem em casa durante…

Nota Cidadã: compras realizadas até 30 de abril concorrem a R$ 60 mil

As compras realizadas entre 1º e 30 de abril nos estabelecimentos comerciais do Estado da Paraíba, com o número do CPF inserido na nota fiscal, vão concorrer ao 5º sorteio…