O tempo gasto em locomoção de um empregado de sua residência até o trabalho e vice-versa, deu a um trabalhador da Lafarge Brasil S.A. (Holcim Brasil S.A. – fábrica de cimento) o direito de receber por horas de percurso (in itinere). Na decisão proferida pela Segunda Turma de Julgamento do Tribunal do Trabalho da Paraíba (13ª Região), foi mantido o deferimento ao trabalhador das horas pelo tempo de percurso e de espera pelo transporte, em face da empresa estar localizada na zona rural do município de Caaporã.

Também foi ratificada a decisão relativa ao adicional de insalubridade fixado em R$ 20 mil reais devido a constatação de que o trabalhador não utilizava equipamentos de proteção individuais (EPIs) e estava exposto a agentes insalubres, risco físico, ruído e calor, além de risco químico acima dos limites de tolerância.

Defesa

A empresa alegou que a sentença foi baseada exclusivamente em depoimentos, desconsiderando as demais informações constantes nos autos. Também defendeu o local de trabalho, afirmando que não é de difícil acesso, o que entende descaracterizar a jornada in itinere, e que todo o tempo do empregado à sua disposição era assinado em cartão de ponto, sendo horas efetivamente quitadas.

O empregador afirmou ainda que o trabalhador poderia utilizar o transporte público e, alternadamente, o fornecido pela empresa para deslocamento ao local de trabalho. Acrescentou que o fornecimento do transporte gratuito constitui uma mera comodidade do empregado. Negou que o local de trabalho fosse insalubre e disse que o empregado sempre esteve munido de equipamento de proteção individual.

Zona rural

De acordo com o relator do processo 0131498-12.2015.5.13.0002, desembargador Edvaldo de Andrade, deve ser ressaltado que o estabelecimento reclamado localiza-se na zona rural do município de Caaporã, o que afasta a alegação de que não teriam sido consideradas outras informações trazidas a juízo. O fato de fornecer transporte gratuito não socorre a empresa. “…a doutrina majoritária e a jurisprudência do TST entendem que, uma vez que a empresa forneça aos trabalhadores transporte de ida e vinda ao trabalho, sobressai a presunção de que o local de trabalho é mesmo de difícil acesso…”, frisou o relator.

No laudo pericial juntado aos autos, consta uma análise do setor e das condições de trabalho do reclamante onde afirma que o labor era realizado em áreas com ruído acima do limite de tolerância (20% – grau médio) e exposição a poeira de calcário (grau mínimo – 10%). A empresa não apontou nenhum elemento concreto capaz de elidir a conclusão do perito.

Quanto aos equipamentos de proteção individuais, consta que não foi apresentada nenhuma ficha de entrega e uso de tais equipamentos. O relator reduziu para duas horas diárias o tempo de percurso, para fins de apuração das horas in itinere e para 10 minutos diários o tempo de espera pelo transporte. A empresa foi condenada a pagar indenização no valor de R$20 mil reais.

 

Assessoria TR13

Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Apesar de decretos mais rígidos, primeiro dia de fiscalização gera trânsito emJP

Apesar do arrocho nas medidas de isolamento social em combate ao Covid-19, no primeiro dia de fiscalização e ação educativa estabelecidas no último decreto publicado pelo Governador da Paraíba, foi…

Cantor paraibano Totonho pode perder audição após choque em fones de ouvido

Através das suas redes sociais o cantor e compositor paraibano Totonho revelou que pode ficar sem a audição do ouvido direito após sofrer um choque elétrico dentro do ouvido ao…