Por pbagora.com.br

 MPPB e Pnud consolidam, nesta terça-feira (14), parceria para a 3ª edição do ‘Hackfest de Combate à Corrupção’, no Espaço Cultural

 

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) se reúne nesta terça-feira (14), na sede da instituição em João Pessoa, com representantes do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), para consolidar parceria na realização da terceira edição do ‘Hackfest de Combate à Corrupção’, programada para o período de 9 a 11 de junho, no Espaço Cultural José Lins do Rego, na capital paraibana. A reunião com o Pnud está marcada para as 15h30, no prédio da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ).

 

Vão estar presentes à reunião o diretor de País (Country director), Didier Trebucq; a residente assistente Maristela Baioni; o assessor sênior Haroldo Machado; a oficial de Programa do Pnud, Leva Lazareviciute; e a analista Inalda Beder. Eles serão recebidos pelo procurador-geral de Justiça do MPPB, Bertrand de Araújo Asfora, e pelo coordenador do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPPB, Octávio Celso Gondim Paulo Neto, promotor de Justiça, responsável pela realização do ‘Hackfest de Combate à Corrupção’.

 

Também chamado de hack day ou codefest, o hackfest é uma maratona de programação na qual hackers se reúnem por longos períodos, com o objetivo de explorar dados abertos, desvendar códigos e sistemas lógicos, além de discutir novas ideias e desenvolver projetos de software ou até mesmo de hardware. Por ser um evento público, a maratona dá visibilidade e transparência a essas atividades, além de divulgar os novos produtos gerados.

 

Em 2016, o MPPB realizou, de forma pioneira, duas edições do ‘Hackfest de Combate à Corrupção’. A primeira delas ocorreu em agosto, nas dependências da sede do MPPB em Campina Grande, em parceria com a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). A segunda, no mês de outubro, foi realizada com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa.

 

“Os eventos do hackfest são uma iniciativa do nosso Núcleo de Gestão do Conhecimento que nós criamos. O promotor de Justiça Octávio Paulo Neto é o coordenador e o hackfest é um negócio fantástico. Eu digo muito a ele isso: ‘Octávio, isso a gente só vê na Europa’”, analisa o procurador-geral Bertrand Asfora. “O hackfest é um convênio que nós criamos com as universidades para que os estudantes de tecnologia da informação possam ajudar na construção de softwares no combate à corrupção”.

 

A equipe Sherlock APP foi a grande vencedora da segunda edição do ‘Hackfest de Combate à Corrupção’ promovida pelo MPPB, que ocorreu de 7 a 9 de outubro de 2016 na UFPB. Cerca de 60 estudantes (divididos em oito equipes) participaram do evento que ajuda a população a acompanhar os gastos públicos e o comportamento dos políticos e gestores públicos. Ela foi realizada em parceria com o Instituto UFPB de Desenvolvimento da Paraíba e o Laboratório de Transparência Pública (LabTransp) da UFPB, a Controladoria Geral da União (CGU), a Controladoria Geral do Município de João Pessoa e com o apoio da Associação Paraibana do Ministério Público (APMP).

 

Na primeira edição, de 19 a 21 de agosto de 2016, a equipe Enquadrados foi a vencedora do ‘Hackfest de Combate à Corrupção’, ocorrido em parceria com a Universidade Federal de Campina Grande e com a Rede Paraíba de Comunicação (Jornal da Paraíba), e realizado na sede do Complexo do Ministério Público, em Campina Grande.


Redação

 

Notícias relacionadas

TCE rejeita contas de ex-gestores em Cabedelo e impõe débito de R$ 430 mil

O Pleno do Tribunal de Contas do Estado, reunido em sessão ordinária, por videoconferência, nesta quarta-feira (21), rejeitou as contas de 2018 do município de Cabedelo, sob a responsabilidade dos…

OPINIÃO: doentes e idosos são massacrados na fila de vacinação. Alô, Ministério Publico!

No começo foi tudo uma maravilha. Até uber pago pelo erário tinha disponível para o público carente de transporte. Eu até postei no Instagram um agradecimento ao governador e ao…